Home » Sites e Especiais » Soja Brasil » Soja: relatório do USDA afeta Chicago, mas preços no Brasil ficam estáveis

MERCADO

Soja: relatório do USDA afeta Chicago, mas preços no Brasil ficam estáveis

Segundo a consultoria Safras & Mercado, os estoques do grão dos Estados Unidos acima do esperado estão influenciando negativamente as cotações

12 de junho de 2019 às 09h15
Por Daniel Popov, com informações da Agência Safras

Na última terça-feira, dia 12, o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) divulgou o seu relatório de oferta e demanda da soja e, de maneira geral, não apresentou grandes alterações ante as previsões de maio. Entretanto um ítem mexeu com o mercado. Os estoques de soja dos Estados Unidos, que estão acima do esperado.

Com isso, os preços do grão na Bolsa de Chicago seguem pressionados para baixo. No Brasil, por enquanto os valores seguem estáveis.

Segundo a consultoria Safras & Mercado, para a soja, o levantamento foi considerado entre neutro e baixista, ao indicar estoques americanos acima do esperado e mantendo a previsão de produção americana em 112 milhões de toneladas.

Preços no Brasil

Em Passo Fundo (RS), a saca de 60 quilos seguiu em R$ 78,50. Na região das Missões, a cotação seguiu em R$ 77,50 a saca. No porto de Rio Grande, preço permaneceu em R$ 82,50.

Em Cascavel, no Paraná, o preço ficou em R$ 75. No porto de Paranaguá (PR), a saca estabilizou em R$ 81,50.

Em Rondonópolis (MT), a saca ficou em R$ 69. Em Dourados (MS), a cotação passou de R$ 70,50 para R$ 69,50. Em Rio Verde (GO), a saca permaneceu em R$ 69.

Chicago e câmbio na terça

Os contratos da soja em grão com entrega em julho fecharam com alta de 0,75 centavo de dólar por libra-peso ou 0,08%, a US$ 8,59 por bushel. A posição agosto teve cotação de US$ 8,66 por bushel, com ganho de 1,00 centavo de dólar por libra-peso ou 0,11%.

Nos subprodutos, a posição julho do farelo fechou com elevação de US$ 1,10 ou 0,35%, a US$ 313,40 por tonelada. No óleo, os contratos com vencimento em julho fecharam a 27,38 centavos de dólar, inalterado na comparação com o fechamento anterior.

O dólar comercial encerrou a sessão em alta de 0,18%, negociado a R$ 3,8830 para a compra e a R$ 3,8850 para a venda. Durante o dia, a moeda norte-americana oscilou entre a máxima de R$ 3,9000 e a mínima de R$ 3,8680.

Chicago e câmbio nesta quarta

Segundo a consultoria Safras & Mercado, a indicação de estoques norte-americanos acima do esperado pelo USDA segue atuando como fator de pressão.

Os contratos com vencimento em julho de 2019 operam cotados a US$ 8,55 por bushel, baixa de 3,50 centavos de dólar por bushel ou 0,40%.

O dólar comercial abriu a sessão em alta de 0,20%, negociado a R$ 3,8560 para a compra e a R$ 3,8580 para a venda.a moeda norte-americana oscila entre a máxima de R$ 3,8640 e a mínima de R$ 3,8570.

Veja mais notícias sobre soja

1 comentário

Deixe um Comentário





Home » Sites e Especiais » Soja Brasil » Soja: relatório do USDA afeta Chicago, mas preços no Brasil ficam estáveis

MERCADO

Soja: relatório do USDA afeta Chicago, mas preços no Brasil ficam estáveis

Segundo a consultoria Safras & Mercado, os estoques do grão dos Estados Unidos acima do esperado estão influenciando negativamente as cotações

12 de junho de 2019 às 09h15
Por Daniel Popov, com informações da Agência Safras

Na última terça-feira, dia 12, o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) divulgou o seu relatório de oferta e demanda da soja e, de maneira geral, não apresentou grandes alterações ante as previsões de maio. Entretanto um ítem mexeu com o mercado. Os estoques de soja dos Estados Unidos, que estão acima do esperado.

Com isso, os preços do grão na Bolsa de Chicago seguem pressionados para baixo. No Brasil, por enquanto os valores seguem estáveis.

Segundo a consultoria Safras & Mercado, para a soja, o levantamento foi considerado entre neutro e baixista, ao indicar estoques americanos acima do esperado e mantendo a previsão de produção americana em 112 milhões de toneladas.

Preços no Brasil

Em Passo Fundo (RS), a saca de 60 quilos seguiu em R$ 78,50. Na região das Missões, a cotação seguiu em R$ 77,50 a saca. No porto de Rio Grande, preço permaneceu em R$ 82,50.

Em Cascavel, no Paraná, o preço ficou em R$ 75. No porto de Paranaguá (PR), a saca estabilizou em R$ 81,50.

Em Rondonópolis (MT), a saca ficou em R$ 69. Em Dourados (MS), a cotação passou de R$ 70,50 para R$ 69,50. Em Rio Verde (GO), a saca permaneceu em R$ 69.

Chicago e câmbio na terça

Os contratos da soja em grão com entrega em julho fecharam com alta de 0,75 centavo de dólar por libra-peso ou 0,08%, a US$ 8,59 por bushel. A posição agosto teve cotação de US$ 8,66 por bushel, com ganho de 1,00 centavo de dólar por libra-peso ou 0,11%.

Nos subprodutos, a posição julho do farelo fechou com elevação de US$ 1,10 ou 0,35%, a US$ 313,40 por tonelada. No óleo, os contratos com vencimento em julho fecharam a 27,38 centavos de dólar, inalterado na comparação com o fechamento anterior.

O dólar comercial encerrou a sessão em alta de 0,18%, negociado a R$ 3,8830 para a compra e a R$ 3,8850 para a venda. Durante o dia, a moeda norte-americana oscilou entre a máxima de R$ 3,9000 e a mínima de R$ 3,8680.

Chicago e câmbio nesta quarta

Segundo a consultoria Safras & Mercado, a indicação de estoques norte-americanos acima do esperado pelo USDA segue atuando como fator de pressão.

Os contratos com vencimento em julho de 2019 operam cotados a US$ 8,55 por bushel, baixa de 3,50 centavos de dólar por bushel ou 0,40%.

O dólar comercial abriu a sessão em alta de 0,20%, negociado a R$ 3,8560 para a compra e a R$ 3,8580 para a venda.a moeda norte-americana oscila entre a máxima de R$ 3,8640 e a mínima de R$ 3,8570.

Veja mais notícias sobre soja

1 comentário

Deixe um Comentário





Mais Notícias