Início » Notícias da Agropecuária » Sites e Especiais » Soja Brasil » Preços da soja sobem no Brasil, acompanhando dólar

FECHAMENTO DO MERCADO

Preços da soja sobem no Brasil, acompanhando dólar

Os preços da soja avançaram nas principais praças do país nesta segunda-feira, acompanhando a valorização do dólar frente ao real e dia volátil em Chicago

07 de outubro de 2019 às 18h09
Por Agência Safras
Colheita da soja

Foto: RR Rufino/ Embrapa

Os preços da soja avançaram nas principais praças do país nesta segunda-feira, acompanhando a valorização do dólar frente ao real. Chicago teve um dia volátil. O ritmo dos negócios seguiu lento, com os produtores retraídos e aguardando oportunidades melhores. 

Em Passo Fundo (RS), a saca de 60 quilos subiu de R$ 82,50 para R$ 83,00 a saca. Na região das Missões, a cotação avançou de R$ 82,00 para R$ 82,50. No porto de Rio Grande, o preço passou de R$ 87,00 para R$ 87,50. 

Em Cascavel, no Paraná, o preço aumentou de R$ 81,00 para R$ 81,50 a saca. No porto de Paranaguá (PR), a saca avançou de R$ 86,50 para R$ 87,50. Em Rondonópolis (MT), a saca estabilizou em R$ 77,00. Em Dourados (MS), a cotação subiu de R$ 77,50 para R$ 78,00. Em Rio Verde (GO), a saca seguiu em R$ 78,50.

Chicago

Os contratos futuros da soja negociados na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) fecharam a segunda-feira com preços mistos, perto da estabilidade. Após atingir o melhor nível em mais de dois meses na sexta, o mercado buscou consolidação técnica, em uma sessão de muita volatilidade. 

Os operadores tentam se posicionar frente ao relatório de outubro do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), que será divulgado no dia 10. O Departamento deverá indicar redução na estimativa para a safra americana de soja em 2019/20. 

Analistas consultados pelas agências internacionais apostam que o USDA indicará produção americana em 2019 de 3,571 bilhões de bushels, contra 3,633 bilhões indicados em setembro e 4,544 bilhões do ano anterior. 

Em relação aos estoques de passagem, o USDA deverá reduzir a sua estimativa para a temporada 2019/20 de 640 milhões para 510 milhões de bushels. 

Os estoques globais da oleaginosa deverão ser cortados de 112,4 milhões de toneladas para 110,7 milhões de toneladas em 2018/19. Para a próxima temporada, a expectativa é de estoques de 96,9 milhões, contra 99,1 milhões projetados em setembro. 

Os agentes também aguardam novidades vindas do encontro entre representantes chineses e americanos, que discutem um acordo comercial. As conversas terão início na quinta. Hoje, o USDA anunciou a venda de 198 mil toneladas para a China e outras 240 mil toneladas para destinos não revelados por parte dos exportadores privados. 

As inspeções de exportação norte-americana de soja chegaram a 1.038.988 toneladas na semana encerrada no dia 3 de outubro, conforme relatório semanal divulgado pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA). O mercado esperava número de 1,25 milhão de toneladas. 

Os contratos da soja em grão com entrega em novembro fecharam com baixa de 1,00 centavo ou 0,10% em relação ao fechamento anterior, a US$ 9,15 1/4 por bushel. A posição janeiro teve cotação de US$ 9,29 1/2 por bushel, com perda de 0,75 centavo ou de 0,08%. 

Câmbio

O dólar comercial encerrou a sessão de hoje com alta de 1,12%, sendo negociado a R$ 4,1036 para venda e a R$ 4,1029 para compra. Durante o dia, a moeda norte-americana oscilou entre a mínima de R$ 4,0580 e a máxima de R$ 4,1071.

 

Veja mais notícias sobre soja

Deixe um Comentário





Início » Notícias da Agropecuária » Sites e Especiais » Soja Brasil » Preços da soja sobem no Brasil, acompanhando dólar

FECHAMENTO DO MERCADO

Preços da soja sobem no Brasil, acompanhando dólar

Os preços da soja avançaram nas principais praças do país nesta segunda-feira, acompanhando a valorização do dólar frente ao real e dia volátil em Chicago

07 de outubro de 2019 às 18h09
Por Agência Safras
Colheita da soja

Foto: RR Rufino/ Embrapa

Os preços da soja avançaram nas principais praças do país nesta segunda-feira, acompanhando a valorização do dólar frente ao real. Chicago teve um dia volátil. O ritmo dos negócios seguiu lento, com os produtores retraídos e aguardando oportunidades melhores. 

Em Passo Fundo (RS), a saca de 60 quilos subiu de R$ 82,50 para R$ 83,00 a saca. Na região das Missões, a cotação avançou de R$ 82,00 para R$ 82,50. No porto de Rio Grande, o preço passou de R$ 87,00 para R$ 87,50. 

Em Cascavel, no Paraná, o preço aumentou de R$ 81,00 para R$ 81,50 a saca. No porto de Paranaguá (PR), a saca avançou de R$ 86,50 para R$ 87,50. Em Rondonópolis (MT), a saca estabilizou em R$ 77,00. Em Dourados (MS), a cotação subiu de R$ 77,50 para R$ 78,00. Em Rio Verde (GO), a saca seguiu em R$ 78,50.

Chicago

Os contratos futuros da soja negociados na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) fecharam a segunda-feira com preços mistos, perto da estabilidade. Após atingir o melhor nível em mais de dois meses na sexta, o mercado buscou consolidação técnica, em uma sessão de muita volatilidade. 

Os operadores tentam se posicionar frente ao relatório de outubro do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), que será divulgado no dia 10. O Departamento deverá indicar redução na estimativa para a safra americana de soja em 2019/20. 

Analistas consultados pelas agências internacionais apostam que o USDA indicará produção americana em 2019 de 3,571 bilhões de bushels, contra 3,633 bilhões indicados em setembro e 4,544 bilhões do ano anterior. 

Em relação aos estoques de passagem, o USDA deverá reduzir a sua estimativa para a temporada 2019/20 de 640 milhões para 510 milhões de bushels. 

Os estoques globais da oleaginosa deverão ser cortados de 112,4 milhões de toneladas para 110,7 milhões de toneladas em 2018/19. Para a próxima temporada, a expectativa é de estoques de 96,9 milhões, contra 99,1 milhões projetados em setembro. 

Os agentes também aguardam novidades vindas do encontro entre representantes chineses e americanos, que discutem um acordo comercial. As conversas terão início na quinta. Hoje, o USDA anunciou a venda de 198 mil toneladas para a China e outras 240 mil toneladas para destinos não revelados por parte dos exportadores privados. 

As inspeções de exportação norte-americana de soja chegaram a 1.038.988 toneladas na semana encerrada no dia 3 de outubro, conforme relatório semanal divulgado pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA). O mercado esperava número de 1,25 milhão de toneladas. 

Os contratos da soja em grão com entrega em novembro fecharam com baixa de 1,00 centavo ou 0,10% em relação ao fechamento anterior, a US$ 9,15 1/4 por bushel. A posição janeiro teve cotação de US$ 9,29 1/2 por bushel, com perda de 0,75 centavo ou de 0,08%. 

Câmbio

O dólar comercial encerrou a sessão de hoje com alta de 1,12%, sendo negociado a R$ 4,1036 para venda e a R$ 4,1029 para compra. Durante o dia, a moeda norte-americana oscilou entre a mínima de R$ 4,0580 e a máxima de R$ 4,1071.

 

Veja mais notícias sobre soja

Deixe um Comentário





Mais Notícias