Início » Notícias da Agropecuária » Sites e Especiais » Soja Brasil » Após confirmação de atraso no plantio da soja nos EUA, Chicago abre em alta

MERCADO

Após confirmação de atraso no plantio da soja nos EUA, Chicago abre em alta

Clima adverso e conversas entre os Estados Unidos e China são outros fatores que podem sustentar a alta na Bolsa

25 de junho de 2019 às 08h55
Por Daniel Popov, com informações da Agência Safras

Na última segunda-feira, dia 24, o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), confirmou o que todos já sabiam: o plantio da soja americano está bastante atrasado. Para piorar apenas 54% das lavouras estão em boas condições. Estes fatores influenciaram para que a Bolsa de Chicago abrisse mais uma vez em alta na semana.

USDA: lavouras

Os contratos da soja em grão registram preços mais altos nas negociações da sessão eletrônica na Bolsa de de Chicago. Segundo a consultoria Safras, o mercado busca suporte no andamento do plantio nos Estados Unidos, que veio abaixo do esperado por analistas, assim como as condições das lavouras do país, que também decepcionaram.

O USDA divulgou relatório sobre a evolução de plantio das lavouras de soja. Até 23 de junho, a área plantada estava apontada em 85%. Em igual período do ano passado, a semeadura já havia terminado. A média para o período é de 97%. O mercado apostava em percentual de 88%.

Ainda segundo a entidade, 54% das lavouras estavam entre boas e excelentes condições, 36% em situação regular e 10% em condições entre ruins e muito ruins. O mercado apostava em percentual de 59% de lavouras entre boas e excelentes condições

Chicago sobe

Os contratos com vencimento em agosto de 2019 operam cotados a US$ 9,21 por bushel, alta de 6,25 centavos de dólar por bushel ou 0,68%.

“O clima úmido em regiões produtoras dos Estados Unidos, que atrasa o plantio da soja e afeta o potencial produtivo das lavouras, também pressiona os valores”, aponta a consultoria. “As atenções também estão voltadas para a retomada das negociações entre os Estados Unidos e a China, que deve ocorrer nesta semana na reunião do G-20 no Japão, são outros fatores de pressão.”

Veja mais notícias sobre soja

1 comentário

Deixe um Comentário





Início » Notícias da Agropecuária » Sites e Especiais » Soja Brasil » Após confirmação de atraso no plantio da soja nos EUA, Chicago abre em alta

MERCADO

Após confirmação de atraso no plantio da soja nos EUA, Chicago abre em alta

Clima adverso e conversas entre os Estados Unidos e China são outros fatores que podem sustentar a alta na Bolsa

25 de junho de 2019 às 08h55
Por Daniel Popov, com informações da Agência Safras

Na última segunda-feira, dia 24, o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), confirmou o que todos já sabiam: o plantio da soja americano está bastante atrasado. Para piorar apenas 54% das lavouras estão em boas condições. Estes fatores influenciaram para que a Bolsa de Chicago abrisse mais uma vez em alta na semana.

USDA: lavouras

Os contratos da soja em grão registram preços mais altos nas negociações da sessão eletrônica na Bolsa de de Chicago. Segundo a consultoria Safras, o mercado busca suporte no andamento do plantio nos Estados Unidos, que veio abaixo do esperado por analistas, assim como as condições das lavouras do país, que também decepcionaram.

O USDA divulgou relatório sobre a evolução de plantio das lavouras de soja. Até 23 de junho, a área plantada estava apontada em 85%. Em igual período do ano passado, a semeadura já havia terminado. A média para o período é de 97%. O mercado apostava em percentual de 88%.

Ainda segundo a entidade, 54% das lavouras estavam entre boas e excelentes condições, 36% em situação regular e 10% em condições entre ruins e muito ruins. O mercado apostava em percentual de 59% de lavouras entre boas e excelentes condições

Chicago sobe

Os contratos com vencimento em agosto de 2019 operam cotados a US$ 9,21 por bushel, alta de 6,25 centavos de dólar por bushel ou 0,68%.

“O clima úmido em regiões produtoras dos Estados Unidos, que atrasa o plantio da soja e afeta o potencial produtivo das lavouras, também pressiona os valores”, aponta a consultoria. “As atenções também estão voltadas para a retomada das negociações entre os Estados Unidos e a China, que deve ocorrer nesta semana na reunião do G-20 no Japão, são outros fatores de pressão.”

Veja mais notícias sobre soja

1 comentário

Deixe um Comentário





Mais Notícias