Início » Notícias da Agropecuária » Sites e Especiais » Alerta do Campo » Produtores do Distrito Federal são capacitados para uso racional de água

CRISE HÍDRICA

Produtores do Distrito Federal são capacitados para uso racional de água

Embrapa está dando suporte aos produtores que enfrentam dificuldades com a irrigaçãoA comunidade de agricultores rurais de Buriti Vermelho, no Distrito Federal, sofre com a falta de água para irrigação. Desde o veranico, que atingiu a região em janeiro, o riacho que abastece as barragens usadas pelos produtores começou a secar. São cerca de quarenta famílias que dependem dessa água para manter a atividade. A Embrapa vai capacitar agricultores familiares que viram córrego secar no veranico e enfrentam dificuldades com a irrigação.

07 de abril de 2015 às 19h59
Por Manaíra Lacerda | Brasília (DF)

Fonte: Canal Rural

A ideia, a partir de agora, é manter a produtividade usando menos água. O pesquisador da Embrapa Cerrados, Lineu Rodrigues, afirma que o nível do córrego não deve subir neste ano.

– Para água retornar, a gente tem que fazer um trabalho de conscientização do uso da água pela comunidade. Ou seja, ela vai ter que reduzir o uso de tal forma que a água possa retornar para o córrego. Vai ter que melhorar a eficiência do uso da água na comunidade – alerta Lineu.

O agricultor familiar, Antônio Sobrinho, é o produtor que fica mais próximo da barragem do córrego e ainda não sente os efeitos da falta de água, mas está disposto a reduzir o uso para colaborar com os vizinhos.

– Por enquanto, onde estou ainda está bom. Mais abaixo da minha propriedade, tem umas quatro chácaras, e lá não têm água. Ela não chega até essas quatro propriedades. E se quiser, dá para produzir com menos água. Aqui, quase tudo é gotejamento.

A agricultora Antônia Arruda está em uma das propriedades que ficam no início do canal que leva a água da barragem até as chácaras. Segundo ela, o recurso disponível agora vai faltar no período de seca.

– Para mim não faltou ainda, mas quando a seca chegar, provavelmente vai faltar. E vou reduzir o uso da água. Se tiver como, eu vou diminuir o uso.

O pesquisador da Embrapa cita duas tecnologias de baixo custo que os produtores podem implementar para manter a produtividade consumindo menos recursos hídricos. Uma delas é a medição de clima, fornecida gratuitamente pela Empresa de Pesquisa. A outra é o tensiômetro, que informa a quantidade de água que o solo necessita. O investimento mínimo é de cerca de 700 reais.

– As tecnologias não são caras. A Embrapa tem para todos os gostos, digamos assim. Nós temos as baseadas em dados de clima, temos equipamento que medem essas variáveis climáticas que a gente pode usar pro manejo da irrigação, em que o objetivo é definir quando e quanto de água é preciso aplicar. E temos também tecnologias com base na medição de umidade do solo – explica Rodrigues.

Os produtores que tiverem interesse em implementar as tecnologias  podem procurar a Embrapa para terem acesso a capacitação.

Deixe um Comentário





Início » Notícias da Agropecuária » Sites e Especiais » Alerta do Campo » Produtores do Distrito Federal são capacitados para uso racional de água

CRISE HÍDRICA

Produtores do Distrito Federal são capacitados para uso racional de água

Embrapa está dando suporte aos produtores que enfrentam dificuldades com a irrigaçãoA comunidade de agricultores rurais de Buriti Vermelho, no Distrito Federal, sofre com a falta de água para irrigação. Desde o veranico, que atingiu a região em janeiro, o riacho que abastece as barragens usadas pelos produtores começou a secar. São cerca de quarenta famílias que dependem dessa água para manter a atividade. A Embrapa vai capacitar agricultores familiares que viram córrego secar no veranico e enfrentam dificuldades com a irrigação.

07 de abril de 2015 às 19h59
Por Manaíra Lacerda | Brasília (DF)

Fonte: Canal Rural

A ideia, a partir de agora, é manter a produtividade usando menos água. O pesquisador da Embrapa Cerrados, Lineu Rodrigues, afirma que o nível do córrego não deve subir neste ano.

– Para água retornar, a gente tem que fazer um trabalho de conscientização do uso da água pela comunidade. Ou seja, ela vai ter que reduzir o uso de tal forma que a água possa retornar para o córrego. Vai ter que melhorar a eficiência do uso da água na comunidade – alerta Lineu.

O agricultor familiar, Antônio Sobrinho, é o produtor que fica mais próximo da barragem do córrego e ainda não sente os efeitos da falta de água, mas está disposto a reduzir o uso para colaborar com os vizinhos.

– Por enquanto, onde estou ainda está bom. Mais abaixo da minha propriedade, tem umas quatro chácaras, e lá não têm água. Ela não chega até essas quatro propriedades. E se quiser, dá para produzir com menos água. Aqui, quase tudo é gotejamento.

A agricultora Antônia Arruda está em uma das propriedades que ficam no início do canal que leva a água da barragem até as chácaras. Segundo ela, o recurso disponível agora vai faltar no período de seca.

– Para mim não faltou ainda, mas quando a seca chegar, provavelmente vai faltar. E vou reduzir o uso da água. Se tiver como, eu vou diminuir o uso.

O pesquisador da Embrapa cita duas tecnologias de baixo custo que os produtores podem implementar para manter a produtividade consumindo menos recursos hídricos. Uma delas é a medição de clima, fornecida gratuitamente pela Empresa de Pesquisa. A outra é o tensiômetro, que informa a quantidade de água que o solo necessita. O investimento mínimo é de cerca de 700 reais.

– As tecnologias não são caras. A Embrapa tem para todos os gostos, digamos assim. Nós temos as baseadas em dados de clima, temos equipamento que medem essas variáveis climáticas que a gente pode usar pro manejo da irrigação, em que o objetivo é definir quando e quanto de água é preciso aplicar. E temos também tecnologias com base na medição de umidade do solo – explica Rodrigues.

Os produtores que tiverem interesse em implementar as tecnologias  podem procurar a Embrapa para terem acesso a capacitação.

Deixe um Comentário





Mais Notícias