APERTO

Milho: área cultivada cai, e custo de produção sobe em MG

Safra americana, queda do preço e pragas deixam o cultivo pouco vantajoso, até para quem faz silagem para gado leiteiro

Fonte: Pixabay

Em Minas Gerais, plantar milho tem sido motivo de incerteza. Muitos produtores estão investindo em áreas menores por causa do preço baixo e do alto custo de produção.

No Triângulo Mineiro, uma das principais regiões produtoras de milho do país, a redução de área cultivada promete ser significativa. Só o produtor Alex Queiroz deixou de plantar 30% da área que, em outros ciclos, foi reservada para o grão.

“Na média, a produtividade aqui é de 120 sacas. No custo de produção de hoje, que é de R$ 30 por saca, você consegue um lucro de R$ 600 por hectare. Isso é muito baixo para um produtor colocar essa área toda para fazer só essa produção”, diz o produtor.

Uma das explicações para os preços baixos do milho é a safra americana, que já soma 119 milhões de toneladas e elevou os estoques mundiais. Além disso, produtores como Queiroz, que cultivam milho para silagem do gado de leite, esbarram em outro problema.

“Eu tô investindo em uma área plantando milho. Vou fazer isso na safrinha, mas vou destinar isso para uma outra atividade, que é o leite. E ele também está com problema de preço. Então isso desestimula o produtor”, afirma Queiroz.

Outro fator que contribuiu para desanimar foi a umidade na região. A cultura é bastante suscetível a fatores climáticos. Na época do plantio, em outubro e novembro do ano passado, o volume de chuvas foi muito baixo.

“A cultura também é suscetível a diversas pragas, uma dela é a lagarta-do-cartucho do milho, a spodoptera, uma praga que fica dentro do cartucho na planta, o que dificulta o seu controle. O que a gente tem notado devido é a ausência de algumas práticas como o refúgio, o que dificulta a ação dos materiais sobre essa praga”, diz o agrônomo Diego Fraga.

O último levantamento do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e e Estatística), estima redução de 14% na área de milho brasileiro primeira safra.

“A cultura do milho tem se tornado de alto risco para os produtores da nossa região. A gente tem visto que muitos produtores têm optado em não fazer um cultivo do milho e escolhido outras culturas, como a soja”, afirma o agrônomo.

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *