Início » Notícias da Agropecuária » Sites e Especiais » Febre Aftosa » Laboratório Vallée foi obrigado pelo Ministério da Agricultura a suspender a produção de vacinas contra a febre aftosa

SAÚDE ANIMAL

Laboratório Vallée foi obrigado pelo Ministério da Agricultura a suspender a produção de vacinas contra a febre aftosa

A unidade da empresa em Minas Gerais não estaria seguindo algumas regras de biossegurança no processo de fabricaçãoA Vallée foi obrigada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) a suspender a produção de vacinas contra a febre aftosa em sua fábrica em Montes Claros (MG).

06 de fevereiro de 2015 às 19h00
Por Canal Rural

De acordo com o Mapa, a planta não segue algumas regras de biossegurança em vigor no país. Além da Vallée, a Merial também deixou de fabricar as vacinas em sua unidade de Paulínia (SP) há cerca de dez meses, também por não estar em conformidade com as normas de produção.

As duas empresas juntas respondem por cerca de 70% da produção brasileira de vacinas contra febre aftosa.

De acordo com o Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal (Sindan), não haverá falta de produto na primeira fase da campanha nacional de vacinação contra a doença, que deve consumir cerca de 180 milhões de doses.

Deixe um Comentário





Início » Notícias da Agropecuária » Sites e Especiais » Febre Aftosa » Laboratório Vallée foi obrigado pelo Ministério da Agricultura a suspender a produção de vacinas contra a febre aftosa

SAÚDE ANIMAL

Laboratório Vallée foi obrigado pelo Ministério da Agricultura a suspender a produção de vacinas contra a febre aftosa

A unidade da empresa em Minas Gerais não estaria seguindo algumas regras de biossegurança no processo de fabricaçãoA Vallée foi obrigada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) a suspender a produção de vacinas contra a febre aftosa em sua fábrica em Montes Claros (MG).

06 de fevereiro de 2015 às 19h00
Por Canal Rural

De acordo com o Mapa, a planta não segue algumas regras de biossegurança em vigor no país. Além da Vallée, a Merial também deixou de fabricar as vacinas em sua unidade de Paulínia (SP) há cerca de dez meses, também por não estar em conformidade com as normas de produção.

As duas empresas juntas respondem por cerca de 70% da produção brasileira de vacinas contra febre aftosa.

De acordo com o Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal (Sindan), não haverá falta de produto na primeira fase da campanha nacional de vacinação contra a doença, que deve consumir cerca de 180 milhões de doses.

Deixe um Comentário





Mais Notícias