Início » Notícias da Agropecuária » Sites e Especiais » Febre Aftosa » Audiência pública no Paraná discute pedido de área livre de aftosa sem vacinação

SANIDADE

Audiência pública no Paraná discute pedido de área livre de aftosa sem vacinação

Governo do Paraná junto à Secretaria de Agricultura e Abastecimento do estado (Seab) iniciou no mês de abril o processo de reconhecimento da área estadualNa próxima segunda, dia 11, acontece uma audiência pública na Assembleia Legislativa do Paraná para discutir o pedido do governo estadual para tornar o estado livre da febre aftosa sem vacinação. O encontro reunirá os principais representantes do setor.

08 de maio de 2015 às 12h48
Por Apuração de Larissa Pansani; Edição de Rikardy Tooge

Fonte: Prefeitura de Rio Bonito (RJ)

Participam do encontro os representantes do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), da Associação Brasileira das Indústrias de Carne (Abiec), do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para a Saúde Animal (Sindan), da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), da Secretaria da Agricultura do Paraná e da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar).

O governo do Paraná junto à Secretaria de Agricultura e Abastecimento do estado (Seab) iniciou no mês de abril o processo de reconhecimento do território estadual como área livre de febre aftosa sem vacinação. O estado acredita que já cumpre os pré-requisitos necessários para ser considerada uma região imune à doença.

• PDA tem programa para prevenção da aftosa

Caso o governo decidida por dar esse status ao Paraná, a primeira fase de vacinação de 2015, que acontece no mês de maio, provavelmente será a última no estado. Novas avaliações devem ser feitas perto do mês de novembro para decidir se o Paraná tem condições de permanecer sem a vacina. Após um ano, o título de área livre da doença será concretizado.

presidente da Adapar, Inácio Kroetz, lembra que o assunto ainda está em fase preliminar e que o assunto será debatido e analisado pelos órgãos de fiscalização. Ele lembra que Santa Catarina é um território livre de aftosa sem vacinação há 15 anos e não apresentou novos focos desde então. Kroetz reforça que o trabalho de defesa agropecuária é fundamental para a manutenção do status.

Produtores contestam

Segundo o presidente da ABA, José Roberto Pires Weber, a fronteira do Estado com o Paraguai é um perigo concreto, tendo em vista que o controle da doença naquele país não segue o mesmo rigor do Brasil. A associação acredita que a medida pode comprometer a sanidade do rebanho e a própria atividade agropecuária.

O temor da entidade é que a falta de imunização torne a região uma porta de entrada para o vírus no Brasil. Porém, segundo a Adapar, a estruturação de postos de fiscalização nas divisas com São Paulo, Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul, além das fronteiras com outros países, deve ser feita logo após o Ministério da Agricultura aprovar o pedido.

Outro ponto de preocupação é o problema de sustentabilidade no rebanho, uma vez que o Paraná não é autossuficiente na produção de bezerros. Nesse caso, as aquisições de Estados como Rio Grande do Sul, São Paulo e Mato Grosso do Sul ficariam inviabilizadas. Segundo a Sociedade Rural de Maringá (PR), o déficit paranaense de bezerros é superior a 200 mil por ano.

Deixe um Comentário





Início » Notícias da Agropecuária » Sites e Especiais » Febre Aftosa » Audiência pública no Paraná discute pedido de área livre de aftosa sem vacinação

SANIDADE

Audiência pública no Paraná discute pedido de área livre de aftosa sem vacinação

Governo do Paraná junto à Secretaria de Agricultura e Abastecimento do estado (Seab) iniciou no mês de abril o processo de reconhecimento da área estadualNa próxima segunda, dia 11, acontece uma audiência pública na Assembleia Legislativa do Paraná para discutir o pedido do governo estadual para tornar o estado livre da febre aftosa sem vacinação. O encontro reunirá os principais representantes do setor.

08 de maio de 2015 às 12h48
Por Apuração de Larissa Pansani; Edição de Rikardy Tooge

Fonte: Prefeitura de Rio Bonito (RJ)

Participam do encontro os representantes do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), da Associação Brasileira das Indústrias de Carne (Abiec), do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para a Saúde Animal (Sindan), da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), da Secretaria da Agricultura do Paraná e da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar).

O governo do Paraná junto à Secretaria de Agricultura e Abastecimento do estado (Seab) iniciou no mês de abril o processo de reconhecimento do território estadual como área livre de febre aftosa sem vacinação. O estado acredita que já cumpre os pré-requisitos necessários para ser considerada uma região imune à doença.

• PDA tem programa para prevenção da aftosa

Caso o governo decidida por dar esse status ao Paraná, a primeira fase de vacinação de 2015, que acontece no mês de maio, provavelmente será a última no estado. Novas avaliações devem ser feitas perto do mês de novembro para decidir se o Paraná tem condições de permanecer sem a vacina. Após um ano, o título de área livre da doença será concretizado.

presidente da Adapar, Inácio Kroetz, lembra que o assunto ainda está em fase preliminar e que o assunto será debatido e analisado pelos órgãos de fiscalização. Ele lembra que Santa Catarina é um território livre de aftosa sem vacinação há 15 anos e não apresentou novos focos desde então. Kroetz reforça que o trabalho de defesa agropecuária é fundamental para a manutenção do status.

Produtores contestam

Segundo o presidente da ABA, José Roberto Pires Weber, a fronteira do Estado com o Paraguai é um perigo concreto, tendo em vista que o controle da doença naquele país não segue o mesmo rigor do Brasil. A associação acredita que a medida pode comprometer a sanidade do rebanho e a própria atividade agropecuária.

O temor da entidade é que a falta de imunização torne a região uma porta de entrada para o vírus no Brasil. Porém, segundo a Adapar, a estruturação de postos de fiscalização nas divisas com São Paulo, Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul, além das fronteiras com outros países, deve ser feita logo após o Ministério da Agricultura aprovar o pedido.

Outro ponto de preocupação é o problema de sustentabilidade no rebanho, uma vez que o Paraná não é autossuficiente na produção de bezerros. Nesse caso, as aquisições de Estados como Rio Grande do Sul, São Paulo e Mato Grosso do Sul ficariam inviabilizadas. Segundo a Sociedade Rural de Maringá (PR), o déficit paranaense de bezerros é superior a 200 mil por ano.

Deixe um Comentário





Mais Notícias