Radar

13 de agosto de 2019 às 18h00

‘Brasil não tem política agrícola’, reclama presidente da FPA

O presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), deputado Alceu Moreira (MDB-RS), reclamou da falta de instrumentos de proteção e ajuda ao setor produtivo. Ao comentar a situação de produtores de café e arroz que passam por situações de endividamento e inviabilização da produção, ele afirmou que o país não tem política agrícola adequada.

Ele destacou, ainda, que é hora de mudar essa realidade e criar mecanismos para geração de renda nesses segmentos. “Ele produz o máximo possível e quebra com a maior produção porque não temos política agrícola. Temos um Plano Safra por ano e não protegemos nosso produtor. Se não bastasse isso, ele tem todo tipo de legislação para dizer o que ele não pode. O custo de produção ficou elevado e estrangulou o processo”, diz.

Alceu Moreira ressaltou que a situação de setores como arroz e café não é permanente, mas precisa de uma solução definitiva. “Não é uma coisa permanente, é eventual. Mas a gente precisa encontrar meios para que eles gerem renda, tenham capacidade de renda, qualquer outro paliativo como prorrogar dívidas, retirar produto do mercado para os estoques do governo, todos esses são importantes ferramentas eventuais. Permanente é permitir que ele tenha renda, e hoje isso é possível”, defende.

Radar

13 de agosto de 2019 às 18h00

‘Brasil não tem política agrícola’, reclama presidente da FPA

O presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), deputado Alceu Moreira (MDB-RS), reclamou da falta de instrumentos de proteção e ajuda ao setor produtivo. Ao comentar a situação de produtores de café e arroz que passam por situações de endividamento e inviabilização da produção, ele afirmou que o país não tem política agrícola adequada.

Ele destacou, ainda, que é hora de mudar essa realidade e criar mecanismos para geração de renda nesses segmentos. “Ele produz o máximo possível e quebra com a maior produção porque não temos política agrícola. Temos um Plano Safra por ano e não protegemos nosso produtor. Se não bastasse isso, ele tem todo tipo de legislação para dizer o que ele não pode. O custo de produção ficou elevado e estrangulou o processo”, diz.

Alceu Moreira ressaltou que a situação de setores como arroz e café não é permanente, mas precisa de uma solução definitiva. “Não é uma coisa permanente, é eventual. Mas a gente precisa encontrar meios para que eles gerem renda, tenham capacidade de renda, qualquer outro paliativo como prorrogar dívidas, retirar produto do mercado para os estoques do governo, todos esses são importantes ferramentas eventuais. Permanente é permitir que ele tenha renda, e hoje isso é possível”, defende.