ESPECIAL

Veja como o Brasil aprendeu a produzir mais leite com um rebanho menor

Número de vacas ordenhadas diminuiu em um milhão de cabeças em 11 anos, segundo o Censo Agropecuário, mas produção cresceu pela metade e, no Rio Grande do Sul, a produtividade quase dobrou no período

ordenha
Foto: Bento Viana/CNA

Mesmo com a redução de animais ordenhados de 12 milhões para 11 milhões na última década, a produção brasileira de leite saltou de 20,567 bilhões de litros em 2006 para 30,114 bilhões no último ano, de acordo com o Censo Agropecuário 2017. De acordo com a pesquisa, conduzida pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a produção de leite quase dobrou no Rio Grande do Sul, um dos principais estados produtores. O investimento no rebanho foi essencial para essa evolução.

Em 2006, os produtores gaúchos declararam produtividade média de 2.500 litros de leite por animal. Onze anos depois, o rendimento quase dobrou, passando para 4.301 litros por vaca. Lideranças do setor acreditam que a demanda da indústria tem papel importante no fomento da produção.

“Dobrar a produção em dez anos é um peso muito forte, tem que ter uma qualidade definida que atenda o mercado, se não nós estaríamos aí com leite sobrando. Eu acho que hoje, se houver uma demanda maior da indústria, o produtor tem condições de atender”, afirma o presidente da Comissão de Leite da Federação de Agricultura do Rio Grande do Sul (Farsul), Jorge Rodrigues.

Em Estrela, município no vale do Taquari, a produtividade cresceu 62%. Na propriedade onde Anderson Wermeier mantêm um pequeno rebanho de gado holandês, o desempenho duplicou, segundo ele, como resultado do melhoramento genético. O produtor conta que foram descartados muitos animais com baixa produtividade e o dinheiro obtido foi investido em exemplares de melhor genética.

A dieta do rebanho também sofreu alterações. Os animais agora dispõem de pastagem melhorada e também recebem, segundo Wermeier, milho, silagem, farelo de soja, sal mineral, bicarbonato, gordura protegida, calcário calcítico. “Teve animal que aumentou em 30% a produtividade”, diz.

O médico-veterinário Martin Schmachtenberg, que atua como assistente técnico regional da Emater, lembra que cada vaca tem uma necessidade nutricional própria. Observar essa particularidade, acredita, ajuda a garantir o sucesso da produção leiteira.

O veterinário afirma que muitos produtores mal sabem quanto cada uma de suas matrizes está produzindo. “Ali nós podemos ter vaca de 30 litros de leite (por dia), podemos ter vacas de 10 litros de leite. Se nós tratarmos as duas vacas pensando que elas são iguais, provavelmente a de 30 litros não vai dar essa litragem e aquela que está produzindo 10 litros tem tendência a engordar e não vai aumentar (a produção)”, afirma Schmachtenberg.

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


2 comentário em “Veja como o Brasil aprendeu a produzir mais leite com um rebanho menor

  1. Eu quero saber sobre tratamento de vaca leiteira que eu estou com um projeto pra eu mecher com piquete so pra as vaca leiteira

Assine grátis a melhor newsletter sobre agronegócios do Brasil