BECO SEM SAÍDA

Três a cada quatro produtores de arroz do RS estão endividados

Nos últimos anos, o custo de produção ultrapassou o valor pago pela saca do cereal; produtores se veem presos em uma bola de neve

arroz
Foto: Paulo Lanzetta/Embrapa Clima Temperado

Três a cada quatro produtores de arroz estão com contas atrasadas há mais de um ano ou renegociaram a dívida, aponta a Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz). Segundo o presidente da entidade, Henrique Dornelles, o endividamento do setor é complexo.

“Não vem só dos altos custos de produção. Ele vem da insegurança de preço, dos problemas climáticos que infelizmente o seguro agrícola não cobre. Isso tudo junto criou algo bastante considerável”, explica Dornelles.

Empolgado com o preço do cereal em 2014, o produtor Fábio Peres, de Camaquã (RS), resolveu expandir a área plantada de 500 hectares para 850 hectares. Mas, após três safras com as cotações em queda, faltou dinheiro para cobrir os investimentos que a plantação maior exigia. “Se aumenta a área, você é obrigado a comprar maquinário e aumentar o número de funcionários”, diz. Não teve jeito. Peres acabou endividado junto ao banco e, atualmente, mais da metade do plantio passou a ser financiado por fornecedores de insumos.

Altas no preço do arroz poderiam amenizar a dificuldade enfrentada pelos orizicultores, mas tem acontecido exatamente o contrário. De acordo com o economista da Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul (Farsul), Antônio da Luz, o produtor está vendendo a saca abaixo do custo de produção.

O especialista elenca os desafios: “Precisamos baixar nosso custo de R$ 8,5 mil para R$ 5 mil. Só que isso não pode ser feito sem ter liberdade para comprar insumos onde quisermos, sem fazer investimentos pesados na geração de energia elétrica no Brasil e com a tributação imensa que a gente tem no óleo diesel”.


Para a Federarroz, o custo alto tira competitividade em relação a países que não gastam tanto para ofertar arroz ao mercado. “Eu tenho que cumprir com todas as minhas obrigações sociais, ambientais e tributárias para manter a máquina do governo em dia. Tudo isso torna a minha saca muito mais cara do que a dos outros países”, afirma Dornelles.

Sem alternativa, os produtores estão reduzindo a área plantada. Antônio da Luz chama atenção para o fato de que isso pode causar problemas de abastecimento no futuro.

Nova call to action

Beco sem saída

A cada safra, o custo de Peres fica maior mesmo sem novos investimentos. Na conta, entram os ajustes no óleo diesel e nos fertilizantes, além da terra arrendada. “Na minha lavoura mesmo tem três mãos de ureia. Sou obrigado a colocar. Se não fizer isso, não vou produzir. Não tem como dizer que eu vou produzir bastante tendo custo pequeno. Não dá, eu não consigo”, lamenta.

Conab vai fazer levantamento do custo de produção de arroz

 

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


css.php
Assine grátis a melhor newsletter sobre agronegócios do Brasil