Início » Notícias da Agropecuária » Programas » Informação » Rural Notícias » Plano Safra foi anunciado mas as preocupações do setor não acabaram

ANÁLISE

Plano Safra foi anunciado mas as preocupações do setor não acabaram

Apesar das melhorias apresentadas para o ciclo 2019/2020, especialistas destacam que garantia de renda, seguro e equalização de juros ainda não são os ideais

18 de junho de 2019 às 20h16
Por Canal Rural
Anúncio do Plano Safra 2019/2020

Foto: Marcos Corrêa/Presidência da República

O Plano Safra 2019/2020 não trouxe novidades se comparados aos últimos, afirma o comentarista Miguel Daoud. Segundo ele, no que diz respeito à custeio e comercialização houve apenas um pequeno aumento nas taxas de juro para grandes produtores.

O comentarista diz que o temor não está no crédito. “Minha maior preocupação está na renda de algumas culturas, que simplesmente não tem”, diz.

Daoud considera o aumento nos recursos para o seguro rural como algo positivo, mas alerta que caso o Produto Interno Bruto (PIB) do país caia muito, “o governo vai ter que contingenciar”.

O programa foi anunciado nesta terça-feira, dia 18, em Brasília. Além da ministra da Agricultura, Tereza Cristina, também estiveram presentes representantes do setor produtivo, ministros do governo e o presidente da República, Jair Bolsonaro. O setor contará com R$ 225,59 bilhões, sendo que R$ 10 bilhões vão para subvenção de juros.

Segundo o diretor da Wedekin Consultores e ex-secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Ivan Wedekin, o valor para equalização ainda representa menos de 2% do faturamento do setor. “A agricultura brasileira é a menos subsidiada do mundo”, afirma.

Uma das decepções do setor está no Moderfrota, principal linha de investimento. O volume de recursos na safra 2019/2020 será de R$ 9,6 bilhões, valor bem menor do que esperava a Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq).

Para Wedekin, a agricultura já vem se ajustando aos valores e recursos nas últimas quatro safras. “Enquanto o setor industrial, que é protegido, continua atrasado; não aumenta sua produtividade”, dispara.

Deixe um Comentário





Início » Notícias da Agropecuária » Programas » Informação » Rural Notícias » Plano Safra foi anunciado mas as preocupações do setor não acabaram

ANÁLISE

Plano Safra foi anunciado mas as preocupações do setor não acabaram

Apesar das melhorias apresentadas para o ciclo 2019/2020, especialistas destacam que garantia de renda, seguro e equalização de juros ainda não são os ideais

18 de junho de 2019 às 20h16
Por Canal Rural
Anúncio do Plano Safra 2019/2020

Foto: Marcos Corrêa/Presidência da República

O Plano Safra 2019/2020 não trouxe novidades se comparados aos últimos, afirma o comentarista Miguel Daoud. Segundo ele, no que diz respeito à custeio e comercialização houve apenas um pequeno aumento nas taxas de juro para grandes produtores.

O comentarista diz que o temor não está no crédito. “Minha maior preocupação está na renda de algumas culturas, que simplesmente não tem”, diz.

Daoud considera o aumento nos recursos para o seguro rural como algo positivo, mas alerta que caso o Produto Interno Bruto (PIB) do país caia muito, “o governo vai ter que contingenciar”.

O programa foi anunciado nesta terça-feira, dia 18, em Brasília. Além da ministra da Agricultura, Tereza Cristina, também estiveram presentes representantes do setor produtivo, ministros do governo e o presidente da República, Jair Bolsonaro. O setor contará com R$ 225,59 bilhões, sendo que R$ 10 bilhões vão para subvenção de juros.

Segundo o diretor da Wedekin Consultores e ex-secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Ivan Wedekin, o valor para equalização ainda representa menos de 2% do faturamento do setor. “A agricultura brasileira é a menos subsidiada do mundo”, afirma.

Uma das decepções do setor está no Moderfrota, principal linha de investimento. O volume de recursos na safra 2019/2020 será de R$ 9,6 bilhões, valor bem menor do que esperava a Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq).

Para Wedekin, a agricultura já vem se ajustando aos valores e recursos nas últimas quatro safras. “Enquanto o setor industrial, que é protegido, continua atrasado; não aumenta sua produtividade”, dispara.

Deixe um Comentário





Mais Notícias