Com a retirada da vacinação contra a febre aftosa prevista para iniciar já no próximo ano, cresce a preocupação do setor com o bioterrorismo. O assunto foi tema da Câmara Setorial de Pecuária de Corte nesta quinta-feira, dia 6, em Brasília.