Início » Notícias da Agropecuária » Programas » Informação » Mercado e Cia » Dólar fecha quase estável, a R$ 2,74

FECHAMENTO

Dólar fecha quase estável, a R$ 2,74

Bovespa vira para o território negativo, encerrando a sequência de alta da semanaO dólar fechou perto da estabilidade nesta quinta, dia 5, sustentando-se perto das máximas em quase uma década, diante da apreensão sobre a possibilidade de a Grécia deixar a zona do euro e a sucessão na Petrobras.

05 de fevereiro de 2015 às 18h25
Por Reuters

A moeda norte-americana teve variação negativa de 0,02%, a R$ 2,7415 na venda, após chegar a R$ 2,7625 na máxima da sessão e R$ 2,7220 na mínima do dia. Com isso, permaneceu na região das máximas de fechamento em quase dez anos, que renovou na sessão passada. Operações de ajustes de portfólio após a expressiva alta das últimas sessões limitaram os ganhos.

Segundo dados da BM&F, o giro financeiro ficou em torno de US$ 1,5 bilhão.

– É difícil encontrar espaço para cair, num contexto de tantas incertezas. E vimos muita gente aproveitando as altas (do dólar) para vender – disse o gerente de câmbio da corretora BGC Liquidez, Francisco Carvalho, ressaltando que o mercado está “estressado”.

O premiê grego, Alexis Tsipras, prometeu nesta quinta, “colocar um fim de uma vez por todas” às políticas de austeridade impostas pela União Europeia e negociar de forma dura em favor de um novo acordo para a Grécia. As declarações intensificaram as preocupações com o futuro do país na zona do euro, após o Banco Central Europeu (BCE), abruptamente, deixar de aceitar na noite passada títulos gregos como garantias de empréstimos.

– O tom do discurso do premiê da Grécia é extremamente duro. Parece que os esforços de negociação não estão rendendo resultados – disse o estrategista-chefe do Banco Mizuho, Luciano Rostagno.

No Brasil, incertezas sobre a sucessão na diretoria da Petrobras, envolvida em esquema de corrupção bilionário, também deixaram investidores cautelosos. Na quarta, dia 4, a presidente-executiva da empresa, Maria das Graças Foster, e mais cinco diretores renunciaram aos cargos.

Analistas acreditam que, mesmo com uma nova diretoria, a situação financeira da estatal não melhorará rapidamente.

– O estresse é compreensível, temos notícias desfavoráveis tanto aqui, quanto lá fora. Como, até agora, o Banco Central não deu sinais de que pode atuar mais no câmbio, o mercado se sente à vontade para colocar o câmbio em patamares que acha mais apropriado – disse o operador de uma corretora internacional.

Nesta manhã, o BC vendeu a oferta total de até dois mil swaps, que equivalem à venda futura de dólares, pelas intervenções diárias. Foram vendidos 1 mil contratos para 1º de dezembro de 2015 e 1 mil contratos para 1º de fevereiro de 2016, com volume correspondente a US$ 98,1 milhões.

O BC também vendeu a oferta integral de até 13 mil swaps para rolagem dos contratos que vencem em dois de março, equivalentes a US$ 10,438 bilhões. Ao todo, a autoridade monetária já rolou cerca de 25% do lote total.

Bovespa 

Nos ajustes finais do pregão, a Bovespa virou para o território negativo, encerrando a sequência de alta da semana, com investidores na expectativa sobre quem comandará a Petrobras.

O Ibovespa caiu 0,14%, a 49.233 pontos. Na máxima, chegou a 49.816 pontos, em alta de 1% e, no pior momento do dia, caiu 0,57%, a 49.019 pontos. O volume financeiro da sessão somou R$ 7,1 bilhões.

Em um curto comunicado na véspera, a Petrobras disse que novos executivos serão eleitos na sexta, dia 6, em reunião do Conselho de Administração.

Deixe um Comentário





Início » Notícias da Agropecuária » Programas » Informação » Mercado e Cia » Dólar fecha quase estável, a R$ 2,74

FECHAMENTO

Dólar fecha quase estável, a R$ 2,74

Bovespa vira para o território negativo, encerrando a sequência de alta da semanaO dólar fechou perto da estabilidade nesta quinta, dia 5, sustentando-se perto das máximas em quase uma década, diante da apreensão sobre a possibilidade de a Grécia deixar a zona do euro e a sucessão na Petrobras.

05 de fevereiro de 2015 às 18h25
Por Reuters

A moeda norte-americana teve variação negativa de 0,02%, a R$ 2,7415 na venda, após chegar a R$ 2,7625 na máxima da sessão e R$ 2,7220 na mínima do dia. Com isso, permaneceu na região das máximas de fechamento em quase dez anos, que renovou na sessão passada. Operações de ajustes de portfólio após a expressiva alta das últimas sessões limitaram os ganhos.

Segundo dados da BM&F, o giro financeiro ficou em torno de US$ 1,5 bilhão.

– É difícil encontrar espaço para cair, num contexto de tantas incertezas. E vimos muita gente aproveitando as altas (do dólar) para vender – disse o gerente de câmbio da corretora BGC Liquidez, Francisco Carvalho, ressaltando que o mercado está “estressado”.

O premiê grego, Alexis Tsipras, prometeu nesta quinta, “colocar um fim de uma vez por todas” às políticas de austeridade impostas pela União Europeia e negociar de forma dura em favor de um novo acordo para a Grécia. As declarações intensificaram as preocupações com o futuro do país na zona do euro, após o Banco Central Europeu (BCE), abruptamente, deixar de aceitar na noite passada títulos gregos como garantias de empréstimos.

– O tom do discurso do premiê da Grécia é extremamente duro. Parece que os esforços de negociação não estão rendendo resultados – disse o estrategista-chefe do Banco Mizuho, Luciano Rostagno.

No Brasil, incertezas sobre a sucessão na diretoria da Petrobras, envolvida em esquema de corrupção bilionário, também deixaram investidores cautelosos. Na quarta, dia 4, a presidente-executiva da empresa, Maria das Graças Foster, e mais cinco diretores renunciaram aos cargos.

Analistas acreditam que, mesmo com uma nova diretoria, a situação financeira da estatal não melhorará rapidamente.

– O estresse é compreensível, temos notícias desfavoráveis tanto aqui, quanto lá fora. Como, até agora, o Banco Central não deu sinais de que pode atuar mais no câmbio, o mercado se sente à vontade para colocar o câmbio em patamares que acha mais apropriado – disse o operador de uma corretora internacional.

Nesta manhã, o BC vendeu a oferta total de até dois mil swaps, que equivalem à venda futura de dólares, pelas intervenções diárias. Foram vendidos 1 mil contratos para 1º de dezembro de 2015 e 1 mil contratos para 1º de fevereiro de 2016, com volume correspondente a US$ 98,1 milhões.

O BC também vendeu a oferta integral de até 13 mil swaps para rolagem dos contratos que vencem em dois de março, equivalentes a US$ 10,438 bilhões. Ao todo, a autoridade monetária já rolou cerca de 25% do lote total.

Bovespa 

Nos ajustes finais do pregão, a Bovespa virou para o território negativo, encerrando a sequência de alta da semana, com investidores na expectativa sobre quem comandará a Petrobras.

O Ibovespa caiu 0,14%, a 49.233 pontos. Na máxima, chegou a 49.816 pontos, em alta de 1% e, no pior momento do dia, caiu 0,57%, a 49.019 pontos. O volume financeiro da sessão somou R$ 7,1 bilhões.

Em um curto comunicado na véspera, a Petrobras disse que novos executivos serão eleitos na sexta, dia 6, em reunião do Conselho de Administração.

Deixe um Comentário





Mais Notícias