TRADIÇÃO

Conheça o curraleiro pé-duro, raça que o Brasil quer resgatar

Trazidos ainda no período colonial, são considerados bovinos de dupla aptidão, podendo ser utilizados tanto na produção de carne como leite

Fonte: Alta Genetics/Divulgação

O curraleiro pé-duro é uma das raças europeias mais antigas no Brasil e já foi muito utilizada no Nordeste por causa da sua rusticidade.  Atualmente, as entidades do setor estão trabalhando para resgatar a genética dos poucos animais que restaram e reintroduzir a raça no Brasil.

A raça chegou ao Brasil no ainda no período colonial, trazido pelos portugueses. Não demorou muito para ele ganhar espaço no país, mas essa popularidade não demorou muito tempo e a raça começou a ser substituída com o surgimento das raças zebuínas.

Em 1977, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) começou um trabalho para preservar os exemplares remanescentes. O núcleo de preservação foi criado no município de São João do Piauí, a 516 quilômetros de Teresina. O trabalho no núcleo conta, atualmente, com 350 exemplares.

De acordo com a Associação Brasileira de Criadores de Bovinos Curraleiros Pé-duro, atualmente são 42 pecuaristas associados.  O número de animais ainda é incerto, estima-se cerca de 5 mil exemplares e o estado de Piauí é o que mais possui exemplares, com 3,5 mil animais.

Conhecendo a raça

Embora seja uma raça europeia, os animais são bastante rústicos e indicados principalmente para climas hostis, produção a pasto com baixa disponibilidade de forrageiras. São considerados bovinos de dupla aptidão, podendo ser utilizados tanto na produção de carne como leite.

Na produção de carne, ele é indicado no cruzamento industrial com raças zebuínas como guzerá, sindi e claro nelore. Eles também são opções para acasalamentos com as fêmeas conhecidas como f1 (angus + nelores).

Já na pecuária leiteira, o curraleiro pé-duro é indicado para acasalamentos com animais de raças com alto potencial produtivo como holandês e jersey. Neste caso, o objetivo é produzir progênies produtivas e ao mesmo tempo rústicas.

Os bovinos desta raça são animais de pequeno e médio porte e com bom temperamento. Na fase adulta, pesam entre 360 a 420 quilos. As fêmeas produzem um bezerro por ano e são longevas, podendo permanecer no sistema de produção por até 20 anos.

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Assine grátis a melhor newsletter sobre agronegócios do Brasil