OPORTUNIDADE

Agricultura familiar: veja como funciona a renegociação de dívida

Programas do governo oferecem vantagens diferenciadas de acordo com o tipo de passivo

Fonte: Marcos Santos/USP Imagens

A lei que instituiu o programa de regularização tributária trouxe também a possibilidade de renegociação de passivos de agricultores familiares. No entanto, para ter acesso ao benefício é preciso respeitar os prazos de adesão, que terminam em dezembro.

Pela linha de crédito do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), produtores que contraíram dívidas até 2015 têm descontos expressivos, que aumentam de acordo com o tempo do passivo.

Por outro lado, mais de 600 mil produtores ainda precisam renegociar essas dívidas com os bancos, o que equivale a 80% dos contratos. Já os produtores com dívidas do Programa de Crédito Especial para a Reforma Agrária (Procera) podem receber desconto de até 95% de juros sobre o passivo em caso de pagamento integral.

“Nós entendemos que era necessário um processo que os agricultores pudessem fazer as renegociações e repactuações de suas dívidas em função de problemas que ocorreram durante vários anos e que foram acumulando gradativamente na vida dos agricultores”, disse o secretário de Política Agrícola da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag), Antoninho Rovaris.

Já quem tem dívidas com cooperativas de crédito precisa ficar atento a uma possível mudança de credor. O  governo vai ressarcir cooperativas em até R$ 12 mil cada por meio de recursos do BNDES.

Se a dívida do produtor com a cooperativa for menor ou igual a este valor, vai passar a dever para o banco. Se a dívida for maior, vai continuar devendo a diferença acima dos 12 mil para a própria cooperativa. As condições diferenciadas para agricultores foram garantidas, com base em sucessivas quebras climáticas de safra.

“São dívidas importantíssimas dos produtores rurais, com origem em adversidades climáticas. Existem dívidas, como da Conab, que são um erro do governo, que liberou dinheiro para as associações e, quando foram entregar os produtos vendidos, a Conab tinha uma classificação e eles não conseguiram entregar os produtos nessa classificação”, falou o deputado federal Zé Silva.

A legislação trouxe ainda a criação de novas tabelas de descontos para cooperativas, associações de produtores e contratos coletivos com Dívida Ativa da União.

Para o advogado Saulo Mesquita, o interessante seria os produtores fazerem as adesões aos planos de renegociação de débitos antes do fim do ano. “Neste caso, a discussão é diferente do Funrural. Aqui não há qualquer tipo de discussão judicial pendente de julgamento e é interessante que o produtor faça a adesão ao programa do desconto dentro do prazo estabelecido em lei”, falou;

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


5 comentário em “Agricultura familiar: veja como funciona a renegociação de dívida

  1. Eu tenho uma dívida do pronaf que contraí por meio de dois financiamentos com estufas, como o negocio não deu certo gostaria de unificar os dois contratos e pagar com um maior prazo e um valor menor por ano. Será possível? A quem recorrer ?

  2. Tenho um pronaf está com 4 parcelas vencidas,estou disposto a pagar minha dívida se tiver uma negociação.ja procurei o banco do Brasil agora recentes 3 vezes eles nao fizeram questão nem de abrir a tela pra fazermos o acordo que eu vou pagar. Preciso de uma ajuda pra resolver pois preciso pagar. 33999929371

  3. preciso pagar um pronaf que esta com 4 parcelas atrasadas e a ultima vence dia 10 de dezembro deste ano de 2019. fui ao banco tentar um acordo pra quitar este contrato. mas nao quizeram fazer um acordo pra eu quitar. aguardo ajuda pra resolver pois preciso pagar. estou disposto negociaçao pra pagar.

  4. Bom dia! Sou produtor de café no sul do espírito santo e tive perdas de mais de 80%da produção 2019 como faço para renegociar dívidas ou obter descontos no pagamento do pronaf?

css.php
Assine grátis a melhor newsletter sobre agronegócios do Brasil