Início » Notícias da Agropecuária » Política » Bolsonaro vai aos EUA em março para tratar de economia e comércio

VIAGEM PRESIDENCIAL

Bolsonaro vai aos EUA em março para tratar de economia e comércio

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, está em Washington para acertar os detalhes do encontro entre os representantes dos dois países

07 de fevereiro de 2019 às 08h32
Por Agência Brasil
Bolsonaro, presidente

Foto: José Cruz/Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro deve visitar os Estados Unidos em meados de março, a data está em negociação. O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, passou os últimos dois dias em Washington e nesta quinta-feira, dia 7, estará em Nova York para acertar os detalhes da viagem presidencial.

A agenda de Bolsonaro deve reunir temas econômicos e comerciais, segundo o chanceler. Araújo quer também que parlamentares norte-americanos visitem o Brasil para conhecer a realidade nacional e discutir temas de interesse mútuo.

Em Nova York, o ministro terá reuniões com empresários e formadores de opinião, além de especialistas em geopolítica mundial. Ele se reuniu há dois dias com o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo.

Transferência da embaixada do Brasil

Durante a passagem por Washington, Araújo conversou com o ministro do Exterior da Turquia, Mevlüt Çavuşoğlu. Segundo o chanceler, o turco quis saber como está a definição sobre a possível transferência da embaixada do Brasil de Tel Aviv para Jerusalém. O tema divide a comunidade judaica e a muçulmana, pois Jerusalém é considerada religiosa para os dois povos, além dos católicos.

Nova call to action

Araújo afirmou ao chanceler turco que o assunto está em fase de análise. “É um processo que estamos estudando”, disse o ministro brasileiro, lembrando que o chanceler turco demonstrou preocupação com a eventual transferência.

“Sobretudo a preocupação de que um eventual gesto brasileiro sobre a mudança de paz pode ter algum tipo de impacto ou repercussão negativa para a região ou o processo de paz. [Eles querem que] qualquer reação nossa contribua para a paz na região”, ressaltou Araújo.

1 comentário

  1. Diogo Moura em 7 de fevereiro de 2019 às 08:41

    Que jeito, ele não esta quase morrendo?

Deixe um Comentário





Início » Notícias da Agropecuária » Política » Bolsonaro vai aos EUA em março para tratar de economia e comércio

VIAGEM PRESIDENCIAL

Bolsonaro vai aos EUA em março para tratar de economia e comércio

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, está em Washington para acertar os detalhes do encontro entre os representantes dos dois países

07 de fevereiro de 2019 às 08h32
Por Agência Brasil
Bolsonaro, presidente

Foto: José Cruz/Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro deve visitar os Estados Unidos em meados de março, a data está em negociação. O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, passou os últimos dois dias em Washington e nesta quinta-feira, dia 7, estará em Nova York para acertar os detalhes da viagem presidencial.

A agenda de Bolsonaro deve reunir temas econômicos e comerciais, segundo o chanceler. Araújo quer também que parlamentares norte-americanos visitem o Brasil para conhecer a realidade nacional e discutir temas de interesse mútuo.

Em Nova York, o ministro terá reuniões com empresários e formadores de opinião, além de especialistas em geopolítica mundial. Ele se reuniu há dois dias com o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo.

Transferência da embaixada do Brasil

Durante a passagem por Washington, Araújo conversou com o ministro do Exterior da Turquia, Mevlüt Çavuşoğlu. Segundo o chanceler, o turco quis saber como está a definição sobre a possível transferência da embaixada do Brasil de Tel Aviv para Jerusalém. O tema divide a comunidade judaica e a muçulmana, pois Jerusalém é considerada religiosa para os dois povos, além dos católicos.

Nova call to action

Araújo afirmou ao chanceler turco que o assunto está em fase de análise. “É um processo que estamos estudando”, disse o ministro brasileiro, lembrando que o chanceler turco demonstrou preocupação com a eventual transferência.

“Sobretudo a preocupação de que um eventual gesto brasileiro sobre a mudança de paz pode ter algum tipo de impacto ou repercussão negativa para a região ou o processo de paz. [Eles querem que] qualquer reação nossa contribua para a paz na região”, ressaltou Araújo.

1 comentário

  1. Diogo Moura em 7 de fevereiro de 2019 às 08:41

    Que jeito, ele não esta quase morrendo?

Deixe um Comentário





Mais Notícias