Início » Notícias da Agropecuária » Notícias » Tabela do frete: associação de caminhoneiros pede que STF resolva impasse

POLÊMICA

Tabela do frete: associação de caminhoneiros pede que STF resolva impasse

Segundo a Abcam, muitos motoristas estão transportando cargas abaixo do preço mínimo estipulado por lei

10 de fevereiro de 2019 às 14h06
Por Estadão Conteúdo

Foto: Governo Federal

A Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam) manifestou, em nota, preocupação com a lei que institui os preços mínimos do transporte rodoviário de cargas. “Reiteramos mais uma vez a importância do tema ser discutido por toda a Suprema Corte para que, de uma vez por todas, seja mantido ou não o ato jurídico que a tornou válida”, disse a associação. A análise do processo está 

Na quinta-feira, 7, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Fux suspendeu todos os processos na Justiça que questionam o tabelamento e manteve a multa aplicada a quem não cumprir os preços previstos na tabela. Atualmente, três Ações Diretas de Constitucionalidade (ADI) aguardam análise da Corte. O STF não tem prazo fechado para decidir sobre a legalidade ou não da tabela.

“Como entidade representativa da categoria, continuamos a aguardar a manifestação concisa do STF”, disse a associação. “É direito de qualquer trabalhador ter garantia jurídica nas sua relações contratuais. Estamos à disposição para dialogar com novo governo, bem como com Suprema Corte para buscar uma solução que atenda às necessidades de todos os envolvidos”.

Segundo a Abcam, este é o momento para resolver ‘definitivamente este imbróglio’. “O caminhoneiro autônomo precisa se sentir seguro para cobrar o que lhe é de direito. Infelizmente, muitos caminhoneiros estão transportando abaixo do valor da tabela devido à falta de clareza em relação ao novo regramento”, disse a associação.

“Não podemos esperar que o caminhoneiro denuncie seus contratantes pelo não cumprimento da lei. Cabe aos órgãos de fiscalização atuarem intensamente nas principais rotas de escoamento do país.”

Nova call to action

A associação defendeu, ainda, a redução no tamanho da cadeia de transporte. “Existe o produtor, a trading, a transportadora e o caminhoneiro autônomo, que é quem transporta a carga efetivamente. Para gerar lucro em uma cadeia tão grande assim, é certo que o valor pago pelo consumidor final não há de ser tão baixo”, disse a Abcam.

Tabela do frete coloca em xeque retomada da economia brasileira

15 comentários

  1. Messias em 10 de fevereiro de 2019 às 14:58

    Eu só sei que meu caminhão 2005 está em busca apriencão e não tenho um lugar para morar sim moro dentro do caminhão eu só queria poder pagar este caminhão é muito luta

  2. claudecir em 10 de fevereiro de 2019 às 15:19

    abcam…sou motorista autônomo e não entendo qual a pressa da abcam , essa semana tivemos uma reunião do secretário ou ministro muito satisfatória em relação a esse fato .vai precionar aquele bando de togado que age em função dos poderosos ,nós vamos é tomar ….

  3. Marcos em 10 de fevereiro de 2019 às 15:42

    Têm é que ninguém carregar carga fora da tabela deixa no chão aí as empresas corta essa transportadora esploradoras e coloca outra se ela não paga cai fora também

  4. Altair de Sá Araújo em 10 de fevereiro de 2019 às 16:23

    Penso que à abcam não deveria estar preocupada em discutir a tabela deveria sim se preocupar com a distorção de preço do óleo diesel com a gasolina pois o óleo diesel sendo metade do valor da gasolina já e caríssimo um absurdo só caminhoneiro brasileiro aceita

  5. Francisco Araujo em 10 de fevereiro de 2019 às 16:45

    É um impasse q leva a desconfiança nos autônomos, esperamos na justiça por esse imbróglio q seja resolvido o mais rápido possível, estamos perdidos nesse meio enrolado.

  6. asks STF to resolve the deadlock em 10 de fevereiro de 2019 às 17:11

    […] (adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({}); Source link […]

  7. Jackson Teló em 10 de fevereiro de 2019 às 18:27

    No mato grosso ninguém paga tabela só falam assim ninguém fiscaliza tem que gerar o frete no conhecimento de transporte CT-e aí sim o frete está mais baixo que a 5 anos atrás .

  8. JAIR LUIS JESKE em 10 de fevereiro de 2019 às 18:39

    Do jeito que está não pode continuar, pois a grande maioria das transportadoras não paga a tabela mínima.

  9. pede ao STF para resolver o impasse em 10 de fevereiro de 2019 às 18:42

    […] (adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({}); Source link […]

  10. José Adilson Sartori em 10 de fevereiro de 2019 às 19:13

    Infelizmente as associações da classe não discute geralmente os problemas dos autônomos q sao muitos outros q além desses pedidos inúteis q só favorecem as transportadoras q na maioria das vezes sao só uma portinha aberta a se dizem transportadoras

  11. José Cícero beserra em 10 de fevereiro de 2019 às 20:12

    Nós precisamos ter vergonha na cara porque estes pessoal do judiciário estão falido e sem moral com este vai e vem

  12. Marcos em 10 de fevereiro de 2019 às 21:21

    Eu sou caminhoneiro autônomo e isso já se tornou uma palhaçada ninguém está pagando tabela de frete mínimo

  13. […] Segundo a Abcam, muitos motoristas estão transportando cargas abaixo do preço mínimo estipulado por leiArtigo Completo […]

  14. Silvio luiz em 11 de fevereiro de 2019 às 07:39

    VEJAM OS CUSTOS PARA MANTER UM CAMINHÃO RODANDO EM CONDIÇÕES CORRETAS, E CEJAM QUE O FRETE ESTÁ SUPER DEFASADO, A NÃO SER PARA MEGA FAZENDEIROS, QUE TEM MUITOS INSENTIVOS DO GOVERNO, O QUE NÓS AUTONOMIS NÃO TEMOS, TEMIS QUE NOS CONTENTAR COM EMPRESAS GANHANDO SOBRE NOSSO FRETE, POLICIAIS CORRUPTOS, DIESEL CARO, PEDAGIOS COM PREÇOS ASTRONOMICOS, ESTRADAS EM PESSIMO RDTADO E SEM SEGURANÇA, ENFIM VEJAM TUDO ISSO E PENSEM BEM.

  15. […] Pietra Alcântara com informações do Canal Rural e Jovem […]

Deixe um Comentário





Início » Notícias da Agropecuária » Notícias » Tabela do frete: associação de caminhoneiros pede que STF resolva impasse

POLÊMICA

Tabela do frete: associação de caminhoneiros pede que STF resolva impasse

Segundo a Abcam, muitos motoristas estão transportando cargas abaixo do preço mínimo estipulado por lei

10 de fevereiro de 2019 às 14h06
Por Estadão Conteúdo

Foto: Governo Federal

A Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam) manifestou, em nota, preocupação com a lei que institui os preços mínimos do transporte rodoviário de cargas. “Reiteramos mais uma vez a importância do tema ser discutido por toda a Suprema Corte para que, de uma vez por todas, seja mantido ou não o ato jurídico que a tornou válida”, disse a associação. A análise do processo está 

Na quinta-feira, 7, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Fux suspendeu todos os processos na Justiça que questionam o tabelamento e manteve a multa aplicada a quem não cumprir os preços previstos na tabela. Atualmente, três Ações Diretas de Constitucionalidade (ADI) aguardam análise da Corte. O STF não tem prazo fechado para decidir sobre a legalidade ou não da tabela.

“Como entidade representativa da categoria, continuamos a aguardar a manifestação concisa do STF”, disse a associação. “É direito de qualquer trabalhador ter garantia jurídica nas sua relações contratuais. Estamos à disposição para dialogar com novo governo, bem como com Suprema Corte para buscar uma solução que atenda às necessidades de todos os envolvidos”.

Segundo a Abcam, este é o momento para resolver ‘definitivamente este imbróglio’. “O caminhoneiro autônomo precisa se sentir seguro para cobrar o que lhe é de direito. Infelizmente, muitos caminhoneiros estão transportando abaixo do valor da tabela devido à falta de clareza em relação ao novo regramento”, disse a associação.

“Não podemos esperar que o caminhoneiro denuncie seus contratantes pelo não cumprimento da lei. Cabe aos órgãos de fiscalização atuarem intensamente nas principais rotas de escoamento do país.”

Nova call to action

A associação defendeu, ainda, a redução no tamanho da cadeia de transporte. “Existe o produtor, a trading, a transportadora e o caminhoneiro autônomo, que é quem transporta a carga efetivamente. Para gerar lucro em uma cadeia tão grande assim, é certo que o valor pago pelo consumidor final não há de ser tão baixo”, disse a Abcam.

Tabela do frete coloca em xeque retomada da economia brasileira

15 comentários

  1. Messias em 10 de fevereiro de 2019 às 14:58

    Eu só sei que meu caminhão 2005 está em busca apriencão e não tenho um lugar para morar sim moro dentro do caminhão eu só queria poder pagar este caminhão é muito luta

  2. claudecir em 10 de fevereiro de 2019 às 15:19

    abcam…sou motorista autônomo e não entendo qual a pressa da abcam , essa semana tivemos uma reunião do secretário ou ministro muito satisfatória em relação a esse fato .vai precionar aquele bando de togado que age em função dos poderosos ,nós vamos é tomar ….

  3. Marcos em 10 de fevereiro de 2019 às 15:42

    Têm é que ninguém carregar carga fora da tabela deixa no chão aí as empresas corta essa transportadora esploradoras e coloca outra se ela não paga cai fora também

  4. Altair de Sá Araújo em 10 de fevereiro de 2019 às 16:23

    Penso que à abcam não deveria estar preocupada em discutir a tabela deveria sim se preocupar com a distorção de preço do óleo diesel com a gasolina pois o óleo diesel sendo metade do valor da gasolina já e caríssimo um absurdo só caminhoneiro brasileiro aceita

  5. Francisco Araujo em 10 de fevereiro de 2019 às 16:45

    É um impasse q leva a desconfiança nos autônomos, esperamos na justiça por esse imbróglio q seja resolvido o mais rápido possível, estamos perdidos nesse meio enrolado.

  6. asks STF to resolve the deadlock em 10 de fevereiro de 2019 às 17:11

    […] (adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({}); Source link […]

  7. Jackson Teló em 10 de fevereiro de 2019 às 18:27

    No mato grosso ninguém paga tabela só falam assim ninguém fiscaliza tem que gerar o frete no conhecimento de transporte CT-e aí sim o frete está mais baixo que a 5 anos atrás .

  8. JAIR LUIS JESKE em 10 de fevereiro de 2019 às 18:39

    Do jeito que está não pode continuar, pois a grande maioria das transportadoras não paga a tabela mínima.

  9. pede ao STF para resolver o impasse em 10 de fevereiro de 2019 às 18:42

    […] (adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({}); Source link […]

  10. José Adilson Sartori em 10 de fevereiro de 2019 às 19:13

    Infelizmente as associações da classe não discute geralmente os problemas dos autônomos q sao muitos outros q além desses pedidos inúteis q só favorecem as transportadoras q na maioria das vezes sao só uma portinha aberta a se dizem transportadoras

  11. José Cícero beserra em 10 de fevereiro de 2019 às 20:12

    Nós precisamos ter vergonha na cara porque estes pessoal do judiciário estão falido e sem moral com este vai e vem

  12. Marcos em 10 de fevereiro de 2019 às 21:21

    Eu sou caminhoneiro autônomo e isso já se tornou uma palhaçada ninguém está pagando tabela de frete mínimo

  13. […] Segundo a Abcam, muitos motoristas estão transportando cargas abaixo do preço mínimo estipulado por leiArtigo Completo […]

  14. Silvio luiz em 11 de fevereiro de 2019 às 07:39

    VEJAM OS CUSTOS PARA MANTER UM CAMINHÃO RODANDO EM CONDIÇÕES CORRETAS, E CEJAM QUE O FRETE ESTÁ SUPER DEFASADO, A NÃO SER PARA MEGA FAZENDEIROS, QUE TEM MUITOS INSENTIVOS DO GOVERNO, O QUE NÓS AUTONOMIS NÃO TEMOS, TEMIS QUE NOS CONTENTAR COM EMPRESAS GANHANDO SOBRE NOSSO FRETE, POLICIAIS CORRUPTOS, DIESEL CARO, PEDAGIOS COM PREÇOS ASTRONOMICOS, ESTRADAS EM PESSIMO RDTADO E SEM SEGURANÇA, ENFIM VEJAM TUDO ISSO E PENSEM BEM.

  15. […] Pietra Alcântara com informações do Canal Rural e Jovem […]

Deixe um Comentário





Mais Notícias

Caminhão, estrada, logística, transporte, caminhoneiro, frete, tabela

PARA COBRIR CUSTOS DE MANUTENÇÃO

Crédito: BNDES aumenta limite de financiamento para caminhoneiros

17/08/2019 às 14h02
estrada, tempo, clima, nuvem

LICENCIAMENTO AMBIENTAL

Nova lei será mais rigorosa para abertura de estradas, diz relator

16/08/2019 às 20h05