POLÊMICA

“Quero que matem esses vagabundos do MST”, diz Bolsonaro

Deputado Jair Bolsonaro afirmou em Vitória (ES) que a “propriedade privada é sagrada”

Fonte: Reprodução

Viralizou na internet um vídeo em que o deputado federal e provável candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSC-RJ) defende o uso de armas contra invasões do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). “No que depender de mim, o agricultor, o homem do campo, vai apresentar como cartão de visita para o MST um cartucho (de) 762”, disse ele, em uma referência ao fuzil de 7,62 mm. 

“Àqueles que me questionam se eu quero que mate esses vagabundos, quero, sim. A propriedade privada numa democracia é sagrada. Invadiu, pau nele”, afirmou Bolsonaro. De acordo com a assessoria do deputado, a declaração foi feita durante um discurso em Vitória (ES), nesta quarta-feira, dia 15.

 

Para o comentarista do Canal Rural Benedito Rosa, a reação proposta por Bolsonaro não é o caminho para a solução da questão agrária no Brasil. Ele afirma que as invasões de terra ocorrem com muita frequência e o Judiciário tem sido lento para julgar ações de reintegração de posse, o que cria um clima propício para radicalizações. 

“O Executivo deve oferecer áreas adequadas a essa população (os sem-terra), e, além disso o Judiciário precisa ser mais ágil. Quem tem que interferir nessa hora (de invasões de propriedades), discordo do candidato Bolsonaro, não é o próprio agricultor ou empresa de segurança, mas a Polícia Militar, com respeito e firmeza, cumprindo os mandados judiciais. Esse é o caminho civilizado”, diz Rosa.

Para João Batista Olivi, comentarista do programa Mercado & Companhia, os produtores rurais defendem a paz e a prosperidade. “Nós não queremos dar tiros, nem ser invadidos, nem violentados. Tem que ter a força pública. Precisamos ter polícia que respeita a Constituição”, disse.

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Assine grátis a melhor newsletter sobre agronegócios do Brasil