ESTIMATIVA

Produção no cinturão citrícola deve cair 28% na safra 2018/2019

A queda já era esperada pelo setor em função da grande quantidade de frutos na temporada anterior

Fonte: Pixabay/divulgação

O cinturão citrícola de São Paulo e Triângulo e Sudoeste Mineiro deve produzir 288,29 milhões de caixas de laranja de 40,8 kg na temporada 2018/2019, de acordo com a Pesquisa de Estimativa de Safra (PES), apresentada pelo Fundecitrus na quarta, dia 9. O número representa redução de 27,62% em relação à produção consolidada da safra anterior, que fechou em 398,35 milhões de caixas, e de 11% quando comparado à média dos últimos dez anos.

As 175,27 milhões de árvores produtivas do parque citrícola renderão 55,81 milhões de caixas das variedades precoces Hamlin, Westin e Rubi; 16,55 milhões das precoces Valência Americana, Seleta e Pineapple; 81,16 milhões da meia estação Pera Rio; 99,80 milhões das tardias Valência e Valência Folha Murcha; e 34,97 milhões da tardia Natal. Na média, cada árvore produzirá 564 frutos. E serão necessários 256 frutos para compor uma caixa.

Já a taxa de queda de frutos está estimada em 17%. O índice é explicado pela previsão de menos chuvas e temperaturas acima da média e, principalmente, pelo incremento da severidade do greening (HLB/huanglongbing), a doença mais preocupante da citricultura, que, dentre outros danos, acentua a queda prematura de frutos.

Uma das novidades do Inventário de Árvores deste ano é o levantamento das áreas plantadas de limão e tangerina. Os pomares de limas-ácidas e limões verdadeiros cresceram 40% desde 2015, enquanto os de tangerinas expandiram 21%. Ambos representam 11,01% de toda a produção citrícola de São Paulo e Minas Gerais.

A área plantada com as principais variedades de laranja, que hoje compõe 86,22% do parque paulista e mineiro, diminuiu de 430,62 mil hectares em 2015 para 401,47 mil hectares em 2018.

Tendência

A safra menor já era esperada pelo setor em função da grande quantidade de frutos em 2017/2018. As altas temperaturas registradas em outubro do ano passado, que resultaram em menor pegamento dos frutos nas regiões onde o florescimento foi mais tardio, foram determinantes para a queda do número de caixas.

Apesar da diminuição prevista na produção, citricultores e indústrias comemoraram a estimativa. Como os estoques internacionais de suco de laranja estão relativamente baixos e a safra da Flórida, estimada pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) em 45 milhões de caixas, será a menor dos últimos anos, tanto o preço do suco quanto o preço da caixa de laranja tendem a manter-se estáveis.

A boa remuneração aos citricultores é considerada fundamental para a sustentabilidade do negócio. Os tratos culturais para a qualidade da fruta, como adubação e irrigação, e as práticas de defesa fitossanitária no controle de pragas e doenças demandam investimentos constantes e encarecem o custo de produção.

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Assine grátis a melhor newsletter sobre agronegócios do Brasil