Início » Notícias da Agropecuária » Notícias » Pecuária » Suíno » Suínos: pesquisadores apresentam tecnologia de melhoramento genético

VISLUMBRE DO FUTURO

Suínos: pesquisadores apresentam tecnologia de melhoramento genético

A técnica está em fase de testes nos Estados Unidos e deve ser disponibilizada para pecuaristas brasileiros em até cinco anos

24 de maio de 2019 às 16h44
Por Bruna Essig, de Porto Alegre (RS)
suíno

Foto: Lucas Cardoso/Embrapa Suínos e Aves

Esta semana, Porto Alegre (RS) foi palco da 12ª edição do Simpósio Internacional de Suinocultura (Sinsui), evento que reúne especialistas, estudiosos e produtores para discutir os avanços e desafios da cadeia brasileira. No encontro, pesquisadores apresentaram o futuro da reprodução com melhoramento genético: um projeto realizado nos Estados Unidos prevê a transferência de células dos melhores reprodutores para outros que não são.

A tecnologia está em fase de teste, por isso ainda não há animais nascidos através dela nas granjas. A expectativa é de que os pecuaristas brasileiros possam usufruir da técnica em quatro ou cinco anos, contou o presidente da Associação de Criadores de Suínos do Rio Grande do Sul (Acsurs), Valdecir Folador, que participou da reunião.

Doenças, biossegurança e sanidade e outros assuntos técnicos que impactam a produção também foram debatidos. “Nosso principal desafio é manter o status sanitário alcançado. Olhamos para a China, com surto de Peste Suína Africana (PSA), e por isso cada vez mais reforçamos a proteção sanitária das granjas, com a proibição da entrada de pessoas alheias à atividade, por exemplo”, conta Folador.

Nova call to action

Segundo o presidente da Acsurs, o agronegócio também deixou um recado durante a reunião: “Não é só a cadeia produtiva de suínos que tem seu papel; o poder público tem que participar, com fortalecimento da fiscalização rígida em portos e aeroportos”.

Controle de doenças sem antibióticos

A suinocultura busca alternativa para não usar ou reduzir o uso de antibióticos. Nos últimos anos, o uso de medicamentos alternativos ou com princípios menos agressivos se tornou cada vez mais comum nas granjas.

O setor abriu mão daqueles que deixavam resíduos na carne. “Essa mudança é uma demanda que veio do consumidor da proteína; o mercado exige isso da gente”, diz Folador.

Com peste suína, exportação para China já bate recorde

Deixe um Comentário





Início » Notícias da Agropecuária » Notícias » Pecuária » Suíno » Suínos: pesquisadores apresentam tecnologia de melhoramento genético

VISLUMBRE DO FUTURO

Suínos: pesquisadores apresentam tecnologia de melhoramento genético

A técnica está em fase de testes nos Estados Unidos e deve ser disponibilizada para pecuaristas brasileiros em até cinco anos

24 de maio de 2019 às 16h44
Por Bruna Essig, de Porto Alegre (RS)
suíno

Foto: Lucas Cardoso/Embrapa Suínos e Aves

Esta semana, Porto Alegre (RS) foi palco da 12ª edição do Simpósio Internacional de Suinocultura (Sinsui), evento que reúne especialistas, estudiosos e produtores para discutir os avanços e desafios da cadeia brasileira. No encontro, pesquisadores apresentaram o futuro da reprodução com melhoramento genético: um projeto realizado nos Estados Unidos prevê a transferência de células dos melhores reprodutores para outros que não são.

A tecnologia está em fase de teste, por isso ainda não há animais nascidos através dela nas granjas. A expectativa é de que os pecuaristas brasileiros possam usufruir da técnica em quatro ou cinco anos, contou o presidente da Associação de Criadores de Suínos do Rio Grande do Sul (Acsurs), Valdecir Folador, que participou da reunião.

Doenças, biossegurança e sanidade e outros assuntos técnicos que impactam a produção também foram debatidos. “Nosso principal desafio é manter o status sanitário alcançado. Olhamos para a China, com surto de Peste Suína Africana (PSA), e por isso cada vez mais reforçamos a proteção sanitária das granjas, com a proibição da entrada de pessoas alheias à atividade, por exemplo”, conta Folador.

Nova call to action

Segundo o presidente da Acsurs, o agronegócio também deixou um recado durante a reunião: “Não é só a cadeia produtiva de suínos que tem seu papel; o poder público tem que participar, com fortalecimento da fiscalização rígida em portos e aeroportos”.

Controle de doenças sem antibióticos

A suinocultura busca alternativa para não usar ou reduzir o uso de antibióticos. Nos últimos anos, o uso de medicamentos alternativos ou com princípios menos agressivos se tornou cada vez mais comum nas granjas.

O setor abriu mão daqueles que deixavam resíduos na carne. “Essa mudança é uma demanda que veio do consumidor da proteína; o mercado exige isso da gente”, diz Folador.

Com peste suína, exportação para China já bate recorde

Deixe um Comentário





Mais Notícias