INOVAÇÃO

Produtor de leite investe em ‘hotel de luxo’ para vacas em lactação

Após prejuízo de quase R$ 150 mil, o pecuarista montou uma estrutura para comportar o rebanho com segurança; conheça o sistema adotado

Composto barn usado para acomodar vacas
Foto: Pedro Silvestre

O bem-estar animal é um pilar da produção leiteira. Há pecuarista que aposta em música para estimular os animais e mantê-los focados. Outro investe em colchões para descanso. Já Rodrigo Mores, de Campina Verde (MT), foi além: construiu um hotel de luxo para o rebanho. Mas ele não estava de olho apenas no volume de leite diário; queria impedir novos acidentes com as vacas.

Em 2018, o produtor mato-grossense perdeu 30 animais para lesões e doença, ocasionadas pelas dificuldades de manejo nas áreas irregulares da propriedade, em época de chuvas. “É difícil lidar com a lama. Perdi animais devido a problemas de cascos, mastite e coisas assim”, relembra.

Mores explica que a solução foi buscar um sistema que desse mais conforto às vacas. “Os animais expressam muito o ambiente em que estão: quando você chega no local e os eles estão todos de pé, é porque não está bom”, diz.

O investimento também trará retorno financeiro, segundo o pecuarista. “A princípio, os estudos realizados mostram que podemos aumentar até três litros diários por animal”, conta.

O sistema

Composto barn é o nome do sistema adotado por Mores para abrigar as 60 vacas em lactação. A ideia foi importada de Santa Catarina e aprimorada pelo pecuarista e a filha, Camila. “É um barracão normal, com cinco metros de pé direito para ventilar bastante. Estou usando uma cama feita de casca de arroz e casca de algodão. Devo ser o primeiro a fazer isso no Brasil, pois, normalmente, usa-se maravalha, casca de café e de amendoim. Como temos a opção, demos preferência por ter muita algodoeira na região”, explica Mores.

Segundo o pecuarista, os resultados são excelentes. “Fica macio e seco, porque é um processo de compostagem. Todo dia, a gente passa o pé de pato, escarifica, mistura a parte úmida com a seca. A parte de cima fica fria e a de baixo, quente. Não preciso nem falar, os animais dormem que chegam a virar os olhos”, diz.

Rodrigo Mores não reluta sobre o investimento. Para ele, valeu muito a pena. “Se você considerar que uma matriz leiteira custa entre R$ 4 mil e R$ 5 mil e eu perdi 30 no ano passado, então daria quase R$ 150 mil. O barracão custou R$ 100 mil, com tudo”, afirma. “O nosso dinheiro são os nossos animais. Se os perdermos, estamos perdendo dinheiro”.

Leite: governo estuda reduzir taxa de importação de equipamentos

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


3 comentário em “Produtor de leite investe em ‘hotel de luxo’ para vacas em lactação

  1. SR TEMOS LEITE EM IMPORTAÇÃO LEITE EM PÓ, LI SEU JORNAL TEMOS MASTITE, NO HOMEM. PERDÃO PÓDE SER PEGADINHA.

    ENG. LIGIA\ VIANNA MENDES E LIDIA VIANNA MENDES

css.php
Assine grátis a melhor newsletter sobre agronegócios do Brasil