Foto: Pixabay

O Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea) prevê um aumento na oferta de leite no estado e, com isso, pressão sobre os preços pagos aos pecuaristas. O preço pago ao produtor em novembro, referente à captação de outubro, foi R$ 1,11 por litro, queda de 3,48% no comparativo mensal. Esse resultado é reflexo do aumento na oferta de matéria-prima.

A demanda estagnada também afeta os preços dos derivados, com destaque para o leite UHT no varejo, que recuou 8,06% ficando em R$ 4 por litro.

Caso a demanda melhore com o pagamento do 13º salário e as festas de fim de ano, a pressão sobre as cotações pode ser amenizada, diz o instituto em relatório mensal.  Segundo dados da Somar Meteorologia, a possibilidade de o estado ter grande volume de chuva até meados de fevereiro, favorecendo as condições das pastagens e a produção do gado leiteiro.

Ainda segundo o relatório, os custos de produção da pecuária leiteira em Mato Grosso indica que, no terceiro trimestre de 2018, a despesa para fabricação de um litro de leite foi de R$ 0,83, a mais alta do ano. Considerando uma propriedade com produção média de 175 litros por dia, o custo diário ficou em torno de R$ 145,62. Nos casos de propriedades cuja gestão é mais eficiente, a produção média pode subir para 210 litros por dia, com o mesmo custo diário.