banner-3

FIQUE DE OLHO!

Nova norma do Ibama sobre caça de javalis será debatida nesta terça

A regra atual autoriza o uso de cães na caçada, veda maus tratos aos animais e permite instalação de armadilhas do tipo jaula e curral

17 de junho de 2019 às 12h47
Por Agência Câmara Notícias

Foto: Agência Câmara Notícias

A Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara dos Deputados discute nesta terça-feira (dia 18) a norma do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais (Ibama) que permitiu o uso de cães na caça de javalis.

Uma norma anterior já havia permitido o controle populacional do javali-europeu.

“A liberação da prática de caça com fins de controle populacional de espécie considerada lesiva ao meio ambiente brasileiro, colide com a facilitação na prática de transgressões em frentes tão múltiplas que, entende-se, só poderia ser considerada ante extensa fundamentação científica e, mais que tudo, discussão pública e transparente na casa do povo“, argumenta o deputado Ricardo Izar (PP-SP), que pediu a realização do debate.

O javali provoca desequilíbrio ambiental e prejuízos a lavouras de pequeno e médio porte. Sem predadores naturais no País, as populações do animal crescem de forma rápida.

Regras

A nova norma do Ibama cria o Sistema de Informação de Manejo de Fauna (Simaf) para monitoramento das atividades de manejo do javali. Segundo o Ibama, o sistema dispensa a entrega de relatórios de manejo em papel nas unidades do órgão. Os dados passam a ser informados diretamente no sistema pelas pessoas autorizadas a realizar o manejo.

O texto também veda expressamente os maus tratos aos animais e torna obrigatória a proteção e a identificação dos cães usados na caça. O uso de armadilhas do tipo jaula e curral também está autorizado pela norma.

A Comissão de Meio Ambiente analisa um projeto do deputado Célio Studart (PV-CE) que susta a norma do Ibama.

Debatedores

Foram convidados para discutir o assunto, entre outros, o diretor de Uso Sustentável da Biodiversidade e Florestas do Ibama, João Pessoa Riograndense; o biólogo do Instituto Luisa Mell de Assistência aos Animais e Meio Ambiente, Frank Alarcón; e o presidente da Comissão Nacional de Proteção e Defesa dos Animais da Ordem dos Advogados do Brasil, Reynaldo Velloso.

A audiência será realizada a partir das 14h, no plenário 8. Os interessados poderão acompanhar o debate pela internet. Acesse!

11 comentários

  1. Francisco Haroldo Paiva em 17 de junho de 2019 às 16:11

    É muito simples se é na minha fazenda eu encenava todos os javalis e no dia seguinte encerrava todo eles o congresso não ajuda ao atrapalha. Simples assim eu resolvo rápido.

  2. joaomartin45@gmail.com em 17 de junho de 2019 às 18:21

    Deveriam convidar para o debate, representantes de caçadores.

  3. Marco hoffmann em 17 de junho de 2019 às 18:28

    Boa noite, agente faz tudo os argumentos que eles pedem é cr é aquilo e isso e sempre estão complicando com o caçador ,o caçador mata o javali e não pode nem transportar , agora temos que pedir para o fazendeiro o registro da fazenda a por favor

  4. Alciney Correa Fernandes em 17 de junho de 2019 às 19:46

    Comprei uma arma de fogo fiz tudo certinho conforme manda a lei,imaginado que seria fácil ajudar no controle do javali,e muita Burocracia do Ibama referente ao controle da espécie,vc tem que procurar um produtor fazendeiro e etc preencher um formulário da entrada no Ibama é ficar aguardando a resposta demorada, o controle das regras estou de acordo mais deveria ser bem melhor, como vc vai procurar um fazendeiro e etc pedir os dados da pessoa que não lhe conhece, fora o tempo o custo com o transporte e etc pra depois esperar a boa burocracia,para mim prefiro deixar minha arma guardada. Essa de controle da espécie e tudo mentira é pra vender armas e munições e curso e um monte de pessoas ganhando dinheiro com tudo isso é o controle da espécie invasora não passa de negócios.

    • Alciney Correa Fernandes em 17 de junho de 2019 às 19:48

      Controle de espécie invasora não passa de negócios, ninguém está preocupada com o controle do javali e sim em ganhar dinheiro com tudo isso.

  5. Alciney Correa Fernandes em 17 de junho de 2019 às 19:53

    Tem muita gente casando clandestinamente ninguém vai fazer todos os protocolos do Ibama o cara quer casar pega sua arma e vai,se depender do Ibama a espécie invasora ou seja o javali vai andar de bicicleta na rua.

  6. Francisco Everaldo em 17 de junho de 2019 às 21:52

    O porco asselvajado está acabando com as lavouras e com animais de nossa fauna as lavouras estão sendo destruidas e as nascentes o Ibama só dificulta a vida do caçador que é o único que faz o abate.para caçar o animal o Ibama pede uma monte de documentos protocolar as propriedades que for fazer o abate. O porco é uma praga agrícola não vejo porque Ibama fica na frente atrapalhando e multando o caçador deveria era pagar para o caçador fazer este trabalho já que eles não fazem nada.

  7. Edson Francisco Girondi em 17 de junho de 2019 às 22:36

    Com certeza há necessidade de controle , com o abate, a caça é uma maneira , mas acredito que não será o suficiente, pois esse bicho procria e se esconde muito bem. Sempre sobrarão animais.
    O Ibama ao invés de facilitar a caça, só complica com burocracias.

  8. Elizeu Ramos em 17 de junho de 2019 às 23:47

    O Uso da balestra e permitido no Mato Grosso do Sul

  9. Aéliton Freitas Mota em 18 de junho de 2019 às 06:49

    Gostaria de acompanhar atentamente esse controle populacional e os métodos a serem utilizados. Assim como todosos procedimentos utilizado nesse controle por abates. Obrigado.

Deixe um Comentário





banner-3

FIQUE DE OLHO!

Nova norma do Ibama sobre caça de javalis será debatida nesta terça

A regra atual autoriza o uso de cães na caçada, veda maus tratos aos animais e permite instalação de armadilhas do tipo jaula e curral

17 de junho de 2019 às 12h47
Por Agência Câmara Notícias

Foto: Agência Câmara Notícias

A Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara dos Deputados discute nesta terça-feira (dia 18) a norma do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais (Ibama) que permitiu o uso de cães na caça de javalis.

Uma norma anterior já havia permitido o controle populacional do javali-europeu.

“A liberação da prática de caça com fins de controle populacional de espécie considerada lesiva ao meio ambiente brasileiro, colide com a facilitação na prática de transgressões em frentes tão múltiplas que, entende-se, só poderia ser considerada ante extensa fundamentação científica e, mais que tudo, discussão pública e transparente na casa do povo“, argumenta o deputado Ricardo Izar (PP-SP), que pediu a realização do debate.

O javali provoca desequilíbrio ambiental e prejuízos a lavouras de pequeno e médio porte. Sem predadores naturais no País, as populações do animal crescem de forma rápida.

Regras

A nova norma do Ibama cria o Sistema de Informação de Manejo de Fauna (Simaf) para monitoramento das atividades de manejo do javali. Segundo o Ibama, o sistema dispensa a entrega de relatórios de manejo em papel nas unidades do órgão. Os dados passam a ser informados diretamente no sistema pelas pessoas autorizadas a realizar o manejo.

O texto também veda expressamente os maus tratos aos animais e torna obrigatória a proteção e a identificação dos cães usados na caça. O uso de armadilhas do tipo jaula e curral também está autorizado pela norma.

A Comissão de Meio Ambiente analisa um projeto do deputado Célio Studart (PV-CE) que susta a norma do Ibama.

Debatedores

Foram convidados para discutir o assunto, entre outros, o diretor de Uso Sustentável da Biodiversidade e Florestas do Ibama, João Pessoa Riograndense; o biólogo do Instituto Luisa Mell de Assistência aos Animais e Meio Ambiente, Frank Alarcón; e o presidente da Comissão Nacional de Proteção e Defesa dos Animais da Ordem dos Advogados do Brasil, Reynaldo Velloso.

A audiência será realizada a partir das 14h, no plenário 8. Os interessados poderão acompanhar o debate pela internet. Acesse!

11 comentários

  1. Francisco Haroldo Paiva em 17 de junho de 2019 às 16:11

    É muito simples se é na minha fazenda eu encenava todos os javalis e no dia seguinte encerrava todo eles o congresso não ajuda ao atrapalha. Simples assim eu resolvo rápido.

  2. joaomartin45@gmail.com em 17 de junho de 2019 às 18:21

    Deveriam convidar para o debate, representantes de caçadores.

  3. Marco hoffmann em 17 de junho de 2019 às 18:28

    Boa noite, agente faz tudo os argumentos que eles pedem é cr é aquilo e isso e sempre estão complicando com o caçador ,o caçador mata o javali e não pode nem transportar , agora temos que pedir para o fazendeiro o registro da fazenda a por favor

  4. Alciney Correa Fernandes em 17 de junho de 2019 às 19:46

    Comprei uma arma de fogo fiz tudo certinho conforme manda a lei,imaginado que seria fácil ajudar no controle do javali,e muita Burocracia do Ibama referente ao controle da espécie,vc tem que procurar um produtor fazendeiro e etc preencher um formulário da entrada no Ibama é ficar aguardando a resposta demorada, o controle das regras estou de acordo mais deveria ser bem melhor, como vc vai procurar um fazendeiro e etc pedir os dados da pessoa que não lhe conhece, fora o tempo o custo com o transporte e etc pra depois esperar a boa burocracia,para mim prefiro deixar minha arma guardada. Essa de controle da espécie e tudo mentira é pra vender armas e munições e curso e um monte de pessoas ganhando dinheiro com tudo isso é o controle da espécie invasora não passa de negócios.

    • Alciney Correa Fernandes em 17 de junho de 2019 às 19:48

      Controle de espécie invasora não passa de negócios, ninguém está preocupada com o controle do javali e sim em ganhar dinheiro com tudo isso.

  5. Alciney Correa Fernandes em 17 de junho de 2019 às 19:53

    Tem muita gente casando clandestinamente ninguém vai fazer todos os protocolos do Ibama o cara quer casar pega sua arma e vai,se depender do Ibama a espécie invasora ou seja o javali vai andar de bicicleta na rua.

  6. Francisco Everaldo em 17 de junho de 2019 às 21:52

    O porco asselvajado está acabando com as lavouras e com animais de nossa fauna as lavouras estão sendo destruidas e as nascentes o Ibama só dificulta a vida do caçador que é o único que faz o abate.para caçar o animal o Ibama pede uma monte de documentos protocolar as propriedades que for fazer o abate. O porco é uma praga agrícola não vejo porque Ibama fica na frente atrapalhando e multando o caçador deveria era pagar para o caçador fazer este trabalho já que eles não fazem nada.

  7. Edson Francisco Girondi em 17 de junho de 2019 às 22:36

    Com certeza há necessidade de controle , com o abate, a caça é uma maneira , mas acredito que não será o suficiente, pois esse bicho procria e se esconde muito bem. Sempre sobrarão animais.
    O Ibama ao invés de facilitar a caça, só complica com burocracias.

  8. Elizeu Ramos em 17 de junho de 2019 às 23:47

    O Uso da balestra e permitido no Mato Grosso do Sul

  9. Aéliton Freitas Mota em 18 de junho de 2019 às 06:49

    Gostaria de acompanhar atentamente esse controle populacional e os métodos a serem utilizados. Assim como todosos procedimentos utilizado nesse controle por abates. Obrigado.

Deixe um Comentário