PROTESTO

Mulheres do MST invadem unidade da Vale em Cubatão (SP)

Manifestantes alegam que empresa não realiza o repasse das contribuições ao Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS); valor da dívida é de R$ 276 milhões

07 de março de 2017 às 13h10
Por MST

Fonte: Divulgação/MST

Na manhã desta terça-feira, dia 7, cerca de 1.500 trabalhadoras rurais do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), invadiram a unidade de fertilizantes da empresa Vale, em Cubatão (SP), às margens da Rodovia Cônego Domênico Rangoni, a 40 quilômetros da capital do estado.

As manifestantes alegam que a Vale não realiza o repasse das contribuições ao Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS). A dívida da empresa seria de R$ 276 milhões. O protesto faz parte do pacote de ações previsto pelas manifestantes em homenagem ao Dia Internacional da Mulher, comemorado em 8 de março, que se opõe, entre outras coisas, à reforma da Previdência.

A dirigente nacional do MST, Nívia Silva, defende que um dos principais argumentos do governo de Temer para fazer a contra-reforma da previdência é a dívida que esta acumula. Porém, ele não cobra das empresas que sonegam contribuições ao INSS.

A dirigente nacional do MST, Nívia Silva, comenta que um dos principais argumentos do governo de Michel Temer para fazer a Reforma da Previdência é a dívida que esta acumula. Porém, de acordo com ela, o governo não cobra das empresas que não repassam contribuições ao INSS.

“A dívida dessas empresas soma R$ 426 bilhões, quatro vezes o déficit afirmado pelo governo. Somente 3% das companhias respondem por mais de 63% da dívida previdenciária. Ou seja, a morosidade da Justiça, a complexidade da legislação tributária brasileira e os programas de parcelamento do governo são um dos principais fatores que explicam a alta dívida previdenciária no país”, afirma Nívia.

A ação em São Paulo integra ações que acontecem em todo o Brasil desde esta segunda-feira, dia 6.

Deixe um Comentário





PROTESTO

Mulheres do MST invadem unidade da Vale em Cubatão (SP)

Manifestantes alegam que empresa não realiza o repasse das contribuições ao Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS); valor da dívida é de R$ 276 milhões

07 de março de 2017 às 13h10
Por MST

Fonte: Divulgação/MST

Na manhã desta terça-feira, dia 7, cerca de 1.500 trabalhadoras rurais do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), invadiram a unidade de fertilizantes da empresa Vale, em Cubatão (SP), às margens da Rodovia Cônego Domênico Rangoni, a 40 quilômetros da capital do estado.

As manifestantes alegam que a Vale não realiza o repasse das contribuições ao Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS). A dívida da empresa seria de R$ 276 milhões. O protesto faz parte do pacote de ações previsto pelas manifestantes em homenagem ao Dia Internacional da Mulher, comemorado em 8 de março, que se opõe, entre outras coisas, à reforma da Previdência.

A dirigente nacional do MST, Nívia Silva, defende que um dos principais argumentos do governo de Temer para fazer a contra-reforma da previdência é a dívida que esta acumula. Porém, ele não cobra das empresas que sonegam contribuições ao INSS.

A dirigente nacional do MST, Nívia Silva, comenta que um dos principais argumentos do governo de Michel Temer para fazer a Reforma da Previdência é a dívida que esta acumula. Porém, de acordo com ela, o governo não cobra das empresas que não repassam contribuições ao INSS.

“A dívida dessas empresas soma R$ 426 bilhões, quatro vezes o déficit afirmado pelo governo. Somente 3% das companhias respondem por mais de 63% da dívida previdenciária. Ou seja, a morosidade da Justiça, a complexidade da legislação tributária brasileira e os programas de parcelamento do governo são um dos principais fatores que explicam a alta dívida previdenciária no país”, afirma Nívia.

A ação em São Paulo integra ações que acontecem em todo o Brasil desde esta segunda-feira, dia 6.

Deixe um Comentário