DENÚNCIA

Agrotóxico usado na soja responde por 80% das mortes de abelhas no RS

De acordo com Câmara Setorial da Apicultura do estado, nos últimos meses foram registrados casos de extermínio de colmeias em pelos menos oito municípios gaúchos

abelhas mortas por agrotóxico
Foto: Aldo Machado

Cerca de 80% dos casos de mortandade de abelhas — em que há morte de todas as colmeias de um apiário — no Rio Grande do Sul analisados pelo engenheiro agrônomo Aroni Sattler, em 2018, decorreram da ingestão ou contato com o inseticida fipronil. O produto é usado no Brasil para proteger sementes de soja contra insetos como o bicudo.

No ano passado, a parceria entre o professor da faculdade de Agronomia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e um laboratório do setor privado examinou 30 episódios registrados no estado. O trabalho conduzido por Sattler revelou um índice próximo ao do projeto Colmeia Viva. Entre 2014 e 2017, a iniciativa analisou aproximadamente 200 ocorrências. Das quase 60 em que foi possível detectar o ingrediente ativo, o fipronil representa 70%.

Nova call to action
Doutor em ciências biológicas, Osmar Malaspina estuda abelhas há 40 anos e integrou a equipe de pesquisa. Segundo ele, o problema está na utilização incorreta do produto. Esta também é a denúncia do coordenador da Câmara Setorial de Apicultura do estado, Aldo Machado. “É um problema que vem se agravando de dois anos para cá, e não tem ninguém fiscalizando. O Ministério Público não está se mexendo, o governo também não”, diz.

De acordo com Machado, nos últimos meses foram registrados casos de extermínio de colmeias nos municípios gaúchos de Alegrete, Bagé, Caçapava do Sul, Cruz Alta, Frederico Westphalen, Santana do Livramento, Santiago e São José das Missões.

O coordenador afirma que produtos à base de fipronil estão sendo usados na fase da floração da cultura. É aí que está o problema, diz Machado, que também é apicultor: as abelhas visitam as áreas de soja, coletam néctar contaminado e retornam às caixas. “O produto mata por contato e ingestão. Qualquer outro inseto que encoste nessa abelha morre também”.

Para Aldo Machado, alguns produtores de soja estão fazendo a aplicação de fipronil juntamente com dessecantes para economizar diesel e mão de obra. “O correto seria aplicar os dois produtos separadamente, para que não haja fipronil nas lavouras quando as abelhas forem atrás das flores”, diz.

Contando os prejuízos

Em Santiago (RS), apicultores estimam ter perdido 200 colmeias, diz Machado. “O presidente do Sindicato de Cruz Alta me contou que cerca de 1.000 colmeias devem ser perdidas só no município”.

Segundo o coordenador da Câmara Setorial, um laudo da Universidade de Santa Maria estima o prejuízo por colmeia em R$ 810. “O produtor que aplica de forma incorreta para economizar está ganhando, e o apicultor, pagando a conta”, afirma.

Cautela

Samuel Roggia, pesquisador de Entomologia da Embrapa Soja, diz que não é possível afirmar que seja esse produto o causador das recentes mortes das abelhas no Rio Grande do Sul sem que antes seja feita a análise de amostras dos insetos mortos.

Roggia explica que o fipronil é um inseticida bastante utilizado porque tem amplo espectro, controlando várias pragas ao mesmo tempo. “Ele apresenta um efeito residual no ambiente um pouco mais longo do que outros produtos, mas é bastante seguro contra seres humanos e animais de sangue quente”, afirma. Por essa razão, é também usado como ingrediente de inseticidas de uso doméstico.

Segundo o pesquisador, a aplicação de fipronil na cultura de soja tem melhor efeito sobre o controle de insetos como o bicudo em fases anteriores ao florescimento.

Polêmica no mundo

Pesquisadores da Universidade de Exeter, no Reino Unido, constataram que o fipronil foi responsável pela morte de milhares de abelhas na França, entre 1994 e 1998 — os casos começaram um ano após o lançamento do produto. Órgãos reguladores da União Europeia proibiram o uso do agroquímico no cultivo em 2017.

Malaspina diz que simplesmente vetar o uso no Brasil é mais difícil. “Não temos a mesma realidade da Europa. Lá, eles têm seis meses de frio intenso, o que extermina a maioria das pragas. Aqui, com clima tropical, elas estão presentes o ano inteiro. Precisamos conscientizar sobre o uso correto. Isso diminuiria muito o impacto”, salienta.

Na Cidade do Cabo, capital legislativa da África do Sul, mais de um milhão de abelhas teriam morrido por causa de fipronil em 2018. Um dos apicultores afetados, Brendan Ashley-Cooper perdeu cerca de 40% da produção. As suspeitas, na época, eram de que uma vinícola local teria usado o produto para se livrar de formigas.

As abelhas não foram as únicas vítimas do inseticida. Em 2017, uma empresa contratada para desinfetar granjas fez uso ilegal do produto e contaminou milhões de ovos. Ao todo, 17 países foram atingidos e os ovos precisaram ser retirados das gôndolas dos supermercados.

*Colaborou Luis Roberto Toledo

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


13 comentário em “Agrotóxico usado na soja responde por 80% das mortes de abelhas no RS

  1. Se receituário agronômico fosse coisa séria, certamente não estaria se discutindo este problema ou, pelo menos, teria alguém para responsabilizar.
    Receituário agronômico no Brasil é “Piada” e ninguém questiona isso.

  2. Alguém que tenha a mínima noção do que usam no plantio de soja (das substâncias tóxicas extremamente perigosas), jamais consumirá qualquer produto derivado de soja ou que use soja na sua composição. Entre os incontáveis agrotóxicos acusados de ligações com o desenvolvimento do câncer e banidos em diversos países, tem outros ligados até com o Mal de Parkinson, o chamado Paraquate, que foi proibido pela Anvisa em 2017 com prazo de três anos para o seu banimento total. E a gravidade do que isso faz com o meio ambiente, com destaque às abelhas é só um dos incontáveis males do uso de agrotóxicos. E infelizmente, os alienados fazem disso piada, comprando e servindo ao discurso da indústria criminosa de agrotóxicos e de todos os bandidos ao longo da cadeia produtiva que visam o lucro máximo a qualquer custo.

  3. O pior cego é aquele que não quer ver! Veneno que mata a praga, também mata os agente polinizadores. E até onde eu estudei embiologia, toda planta frutifica através da polinização. Será que agora os ministérios (agricultura/meio ambiente) sendo integrados, ninguém terá a coragem de dizer pra ministra essa pequena verdade?? Ou continuaremos a rir (sem entender nada) com as piadas da rede globo nas inúmeras criticas feitas aos mais absurdos erros desse governo esquisito/paranoico/miliciano/maquiavélico??

  4. Ora, não são todos “produtores rurais”? Não é assim que eles gostam de se autonomear? Não é empresário, fazendeiro, é “produtor”, só para dizer que eles fazem parte do “setor produtivo”. Já os outros pertencem ao setor “não produtivo”? Bem, questões semãnticas á parte, nada de pedir ajuda ao governo, vão lá e “livre negociem” com o pessoal da soja.Eles não são todos “produtores rurais”? Que se entendam.

  5. Enquanto isso aqui temos comeias próximas às áreas de soja produzindo muito bem. Não vamos generalizar o uso indevido e descontrolado por parte de alguns. Se o receituário agronômico e as normas de segurança funcionassem teríamos menos problemas com contaminação por agrotóxicos.

css.php
Assine grátis a melhor newsletter sobre agronegócios do Brasil