PARA CIMA

CitrusBR revisa estimativa e aponta estoque de passagem de 254,2 mil t

Volume é 22,4% maior do que projeção inicial da Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos

Fonte: Pixabay / divulgação

Os estoques globais de suco de laranja da indústria brasileira devem encerrar a atual safra 2017/2018 e iniciar a de 2018/2019, em 1º de julho, com volume de 254,2 mil toneladas. De acordo com a estimativa divulgada nesta quarta-feira, dia 14, pela Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos (CitrusBR), o chamado estoque de passagem deve ser 22,4% maior que o estimado inicialmente, em agosto de 2017, de 207.565 toneladas, e 136,7% superior ao total de 107.387 mil toneladas do início da atual safra, o menor da história. 

Segundo a CitrusBR – entidade que reúne Cutrale, Citrosuco e Louis Dreyfus Company –, em 31 de dezembro de 2017 o estoque totalizava 702,98 mil toneladas de suco de laranja, 41,3% mais que as 497,38 mil toneladas existentes na mesma data de 2016. Para o diretor executivo da CitrusBR, Ibiapaba Netto, se confirmado, o estoque de 254,2 mil toneladas de suco ao final da atual safra será um dos menores da série histórica e o suficiente para abastecer o mercado por 12 semanas. “Todos os olhos agora estão voltados para a próxima safra que, ao que tudo indica, não será grande”, relatou o executivo.
 
A associação de indústrias de suco informou que o rendimento industrial na safra 2017/2018 é estimado em 282,49 caixas (de 40,8 quilos) para a produção de 1 tonelada de suco de laranja concentrado e congelado, padrão utilizado na estimativa. Nas últimas cinco safras o rendimento médio foi de 279,22 caixas/tonelada, ou seja, houve uma piora na atual safra. A CitrusBR não divulgou nova estimativa de processamento e produção de suco em 2017/2018. Informou que esses dados serão compilados e apresentados em maio.

Na previsão anterior, de agosto, a CitrusBR estimou uma moagem total de 314,47 milhões de caixas (de 40,8 quilos) de laranja em 2017/2018, alta de 52,9% sobre as 205,87 milhões de caixas da safra anterior. O volume incluía o processamento das empresas associadas e não associadas à CitrusBR no cinturão citrícola de São Paulo e do Triângulo Mineiro, bem como a moagem em unidades do Paraná e Rio Grande do Sul, que compõem a oferta de suco do país. 

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *