MINAS E SÃO PAULO

Café: Conab negocia 100% da oferta de 95 mil sacas e ágio chega a 15%

A estatal diz que o preço médio de venda ficou entre R$ 490 e R$ 505 a saca e os leilões devem ocorrer até o mês de maio

26 de janeiro de 2017 às 19h16
Por Canal Rural

Fonte: Governo do Espírito Santo/divulgação

O leilão de estoques de café realizado nesta quinta-feira, dia 26, pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) negociou 100% das 5,698 mil toneladas, ou 95 mil sacas de 60 quilos, colocadas à venda em Minas Gerais e São Paulo. A disputa fez com que o produto saísse a preços até 15% maiores que o valor de abertura.

Em nota, a estatal diz que o preço médio de venda ficou entre R$ 490 e R$ 505 a saca. O próximo pregão de café dos estoques públicos ocorrem em 15 dias. Segundo o secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Neri Geller, os leilões serão realizados até maio, com o objetivo de complementar o abastecimento interno durante a entressafra, “reduzindo a pressão sobre o preço do grão”.

  

Deixe um Comentário





MINAS E SÃO PAULO

Café: Conab negocia 100% da oferta de 95 mil sacas e ágio chega a 15%

A estatal diz que o preço médio de venda ficou entre R$ 490 e R$ 505 a saca e os leilões devem ocorrer até o mês de maio

26 de janeiro de 2017 às 19h16
Por Canal Rural

Fonte: Governo do Espírito Santo/divulgação

O leilão de estoques de café realizado nesta quinta-feira, dia 26, pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) negociou 100% das 5,698 mil toneladas, ou 95 mil sacas de 60 quilos, colocadas à venda em Minas Gerais e São Paulo. A disputa fez com que o produto saísse a preços até 15% maiores que o valor de abertura.

Em nota, a estatal diz que o preço médio de venda ficou entre R$ 490 e R$ 505 a saca. O próximo pregão de café dos estoques públicos ocorrem em 15 dias. Segundo o secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Neri Geller, os leilões serão realizados até maio, com o objetivo de complementar o abastecimento interno durante a entressafra, “reduzindo a pressão sobre o preço do grão”.

  

Deixe um Comentário