EM 2018

Brasil abre mercado para 24 produtos agrícolas

Os destaques do desempenho favorável nas negociações foram a carne suína para a Coreia do Sul e Índia; reabertura do mercado russo foi alívio para o setor

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Em 2018, o Brasil abriu mercado para 24 produtos do agronegócio em 12 países. Segundo dados divulgados pelo Ministério da Agricultura, os destaques do desempenho favorável nas negociações foram a carne suína para a Coreia do Sul e Índia. Ainda na Coréia do Sul, foi aberto o mercado para mangas. Já na Índia, além da abertura para suínos vivos, foi aberto mercado para carne suína in natura, material genético bovino e ovos livres de patógenos.

O Mapa promoveu ações envolvendo questões sanitárias e fitossanitárias em negociação com 130 países. Participou da organização de 13 missões em 20 países, para Alemanha, Bélgica, Suíça, Coreia do Sul, Singapura, Indonésia, Malásia, Emirados Árabes Unidos, Arábia Saudita, Canadá, Turquia, China, França, África do Sul, Botswana, Namíbia, Argentina, Egito, Portugal e Espanha”, comunicou.

Na África do Sul, foram concluídas negociações para exportação de mangas, ovos in natura e ovos processados. No caso da Arábia Saudita, foi aberto mercado para a exportação de bovinos vivos, produtos apícolas, sêmen e embriões bovinos, ovos férteis (aves) e pintos. Já na China, foram concluídas negociações para pele de animais. Na Rússia, foi reaberto o mercado para a exportação de carne bovina e suína, o que trouxe alívio para o setor. Já na Guatemala, o mercado está aberto para as compras de bovinos vivos.

Ainda no contexto sanitário e fitossanitário, foram concluídas negociações com o Irã para exportação de bovinos vivos. Reuniões com o Japão resultaram em renegociação do modelo do Certificado Sanitário Internacional a ser adotado para a exportação de carne termoprocessada. O Marrocos permitiu a entrada de material genético de perus. O México abriu mercado para o arroz sem casca brasileiro. E, finalmente, o Vietnã abriu mercado para a exportação de farinhas de origem animal.

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


css.php
Assine grátis a melhor newsletter sobre agronegócios do Brasil