RELATÓRIO MENSAL

USDA reduz previsão para estoques de soja nos EUA em 2017/2018

Quanto ao milho, a entidade manteve a estimativa em 55,4 milhões de toneladas, acima da expectativa de analistas

Fonte: Luiz Henrique Magnante/Embrapa

O Departamento de Agricultura Dos Estados Unidos (USDA) reduziu nesta quinta-feira, dia 10, sua estimativa para estoques domésticos de soja. Em seu relatório mensal de oferta e demanda, o USDA disse que as reservas do grão ao fim da temporada 2017/2018 devem atingir 530 milhões de bushels (14,4 milhões de toneladas), de 550 milhões (14,97 milhões de toneladas) estimados em abril. Analistas consultados pelo Wall Street Journal projetavam um corte menor, para 541 milhões de bushels (14,73 milhões de toneladas). Para 2018/2019, os estoques foram estimados em 415 milhões de bushels (11,3 milhões de toneladas), enquanto o mercado esperava 549 milhões de bushels (14,94 milhões de toneladas).

Quando aos estoques de milho nos EUA em 2017/2018, o USDA manteve sua previsão em 2,182 bilhões de bushels (55,4 milhões de toneladas), ante expectativa de analistas de 2,178 bilhões de bushels (55,3 milhões de toneladas). Para 2018/2019, as reservas foram estimadas em 1,682 bilhão de bushels (42,7 milhões de toneladas), enquanto o mercado projetava 1,631 bilhão de bushels (41,4 milhões de toneladas).

O USDA elevou sua expectativa para estoques domésticos de trigo ao fim de 2017/2018 de 1,064 bilhão para 1,070 bilhão de bushels (28,96 milhões para 29,1 milhões de toneladas). O número ficou próximo da expectativa de analistas, de 1,067 bilhão de bushels (29 milhões de toneladas). A previsão para 2018/2019 ficou em 955 milhões de bushels (26 milhões de toneladas), acima da projeção do mercado, de 923 milhões de bushels (25,1 milhões de toneladas).

Os estoques mundiais de soja em 2017/2018 foram elevados de 90,8 milhões para 92,2 milhões de toneladas, enquanto analistas previam 90 milhões. Para 2018/19, as reservas foram estimadas em 86,7 milhões de toneladas, ante expectativa de analistas de 91,1 milhões. A previsão para reservas globais de milho passou de 197,8 milhões para 194,9 milhões de toneladas, enquanto o mercado esperava 195,2 milhões de toneladas. Os estoques em 2018/19 foram projetados em 159,2 milhões de toneladas, bem abaixo da expectativa do mercado, de 182 milhões de toneladas. Já os estoques globais de trigo em 2017/18 foram reduzidos de 271,2 milhões para 270,5 milhões de toneladas. O mercado previa 271,3 milhões de toneladas. Para 2018/19, o volume foi projetado em 264,3 milhões de toneladas, enquanto analistas esperavam 267,7 milhões de toneladas.

O USDA também divulgou projeções para a colheita dos EUA na temporada 2018/2019. A produção de soja foi estimada em 4,280 bilhões de bushels (116,5 milhões de toneladas), abaixo da previsão de analistas, de 4,311 bilhões de bushels (117,3 milhões de toneladas). Já a safra de milho foi projetada em 14,04 bilhões de bushels (356,6 milhões de toneladas), ante previsão do mercado de 14,091 bilhões de bushels (357,9 milhões de toneladas). O governo dos EUA disse que a produção total de trigo deve somar 1,821 bilhão de bushels (49,6 milhões de toneladas). Analistas esperavam um número menor, de 1,757 bilhão de bushels (47,8 milhões de toneladas).

Brasil e Argentina

Quanto à safra sul-americana, o USDA elevou sua previsão para a colheita de soja do Brasil de 115 milhões para 117 milhões de toneladas. O mercado projetava um aumento levemente menor, para 116,6 milhões de toneladas. A produção argentina foi reduzida em 1 milhão de toneladas, para 39 milhões. Analistas previam um corte para 38,6 milhões.

A produção de milho do Brasil foi reduzida em 5 milhões de toneladas, para 87 milhões, enquanto analistas projetavam uma redução menor, para 88,2 milhões. Já a expectativa para a colheita argentina foi mantida em 33 milhões de toneladas, ante expectativa do mercado de um corte para 32,1 milhões de toneladas.

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Assine grátis a melhor newsletter sobre agronegócios do Brasil