CUIDADOS

Saiba qual a importância da manutenção das máquinas agrícolas

Maior produtividade no campo com intervalos menores entre as safras exige cuidados para manter os equipamentos em boas condições de uso

Fonte: Pixabay/Divulgação

A manutenção preventiva é muito importante para garantir o bom funcionamento do equipamento e também para prolongar a sua vida útil, evitando quebras inesperadas e desgastes prematuros, além de garantir eficiência, produtividade e assegurar o valor do equipamento na hora da revenda.

Por isso, é necessário seguir as recomendações do manual do fabricante do equipamento, sendo necessário que o produtor treine o operador para fazer as checagens diárias de componentes importantes do motor, ter um plano de manutenção da frota e contar com um especialista para executar os serviços de revisões. Assim, além do equipamento estar em bom funcionamento, também terá maior valor na hora da revenda, uma vez que o proprietário pode apresentar todo o histórico de manutenção da máquina. 

Segundo Paulo Acosta, gerente comercial da TVH-Dinamica, a checagem diária deve envolver componentes do motor, como os filtros de ar, combustível, bombas hidráulicas e da cabine, correias, levando em consideração as horas trabalhadas, tipo de solo e atividade realizada pelo equipamento.

– Os filtros devem ser trocados de acordo com as recomendações do fabricante ou quando o trator trabalha em condições não favoráveis como: excesso de poeira, umidade, entre outros. É aconselhável também observar o nível de óleo do motor todos os dias, a pressão do óleo e a cada mil horas trabalhadas proceder a limpeza dos bicos injetores – explica.

É preciso também manter os componentes que fazem parte do conjunto em perfeitas condições para garantir a durabilidade dos filtros.

– Outra dica é limpar a máscara dianteira (tela do radiador) para averiguar se há poeira e impurezas. Além disso, deve-se verificar diariamente o nível do óleo do motor e do sistema de arrefecimento pela manhã, antes de ligar o trator – conta.

Vale salientar que os prazos das revisões variam, dependendo muito do número de horas trabalhadas e do tipo de atividade que o equipamento executa, se está atuando em condições severas de trabalho ou não.

– Cada situação tem as suas peculiaridades e, por isso, é preciso fazer um relatório que deve ser atualizado constantemente com informações sobre o uso do equipamento. Os intervalos de manutenção sempre precisam considerar as condições de trabalho. Em serviços mais severos e com mudanças bruscas de clima, é aconselhável inserir intervalos menores no plano de manutenção – destaca.

De qualquer forma, seguindo as recomendações do fabricante do equipamento, além de treinar o operador com frequência para que ele possa estar atualizado com as novas tecnologias e saiba fazer as revisões diárias de vários componentes que interferem no funcionamento dos equipamentos já são ótimas práticas a serem adotadas para manter as máquinas em boas condições de uso, e, desta forma, contribuir para a produtividade no campo.

Acosta revela que os produtores, que desejam criar um sistema de revisão mais aprimorado, podem adotar a manutenção preditiva, uma forma planejada de cuidar das máquinas por meio de avaliação do histórico e que prevê as condições de uso. São relatórios que avaliam as horas trabalhadas e a forma que a máquina é operada, considerando vários aspectos como tipo de solo, entre outros. Por isso, as peças são trocadas com base nesse estudo e não no manual do fabricante. É um método ainda mais apurado e personalizado de cuidar da máquina, para que a mesma tenha vida longa sem apresentar problemas. 

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *