Início » Notícias da Agropecuária » Notícias » Agricultura » Milho » Segunda safra de milho deve crescer 20% no Brasil, aponta consultoria

safra 2018/2019

Segunda safra de milho deve crescer 20% no Brasil, aponta consultoria

Para a soja, a consultoria INTL FCStone, mantém a estimativa de produção em 120,2 milhões de toneladas, nível que, se confirmado, será considerado recorde histórico

03 de dezembro de 2018 às 11h29
Por Canal Rural

Foto: Leonardo Rocha/ Embrapa Agrossilvipastoril

O campo deve reunir fôlego extra no ciclo 2018/2019 para receber o aumento previsto na produção de milho. Segundo a consultoria INTL FCStone, o incremento é de 14,1% em relação à safra anterior, saltando para 92,2 milhões de toneladas de milho resultado de revisões no primeiro e segundo ciclo do cereal.

“No caso da primeira safra de milho 2018/2019, houve um leve aumento da estimativa de produção, que ficou em 27,3 milhões de toneladas, uma variação de menos de 200 mil toneladas frente ao mês passado. Em relação ao ciclo passado, esse nível de produção representa um aumento de 1,7%”, explica a analista de mercado da FCStone, Ana Luiza Lodi.

A produção maior no verão decorre de um aumento da produtividade estimada, que, na média do Brasil, passou de 5,22 para 5,26 toneladas por hectare. “No Rio Grande do Sul, as condições das lavouras de milho estão muito positivas e a produtividade do estado, que alterna com Minas Gerais no posto de maior produtor da safra de verão, foi elevada para 6,9 toneladas por hectare”, destaca a analista Ana Luiza.

Já em relação à safra de inverno, em sua primeira estimativa para 2018/2019, a consultoria aponta produção de 64,9 milhões de toneladas, considerando um aumento de área frente a 2017/2018, que encerrou a temporada com 53,98 milhões de toneladas, segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB), e uma normalização da produtividade, após a quebra expressiva do ciclo anterior. Esse nível de produção representa aumento de 20% no comparativo anual.

A área plantada é estimada em 11,6 milhões de hectares, um aumento de 2,7% em relação à temporada passada, em decorrência da expectativa de crescimento de área em Mato Grosso e Paraná, que deve ser favorecida pelo ciclo mais adiantado da soja.

Essa recuperação da produção deve contribuir para manter os estoques finais de milho em níveis elevados, em 14,4 milhões de toneladas, segundo a INTL FCStone, mesmo com exportações maiores. “As exportações podem se recuperar em meio a uma oferta mais elevada, voltando a superar 30 milhões de toneladas. O consumo interno também deve continuar com tendência positiva, já que o Brasil é um dos maiores produtores de carne do mundo”, destaca a analista de mercado, Ana Luiza Lodi.

Soja

Em sua revisão de dezembro, a FCStone mantém a estimativa de produção de soja para a safra 2018/2019 em 120,2 milhões de toneladas, nível que, se confirmado, será considerado recorde histórico. Isso porque o nível de produção é resultado de uma área em 35,9 milhões de hectares e uma produtividade de 3,35 toneladas por hectare, rendimento abaixo do recorde do ciclo passado.

“As perspectivas, no geral, se mantêm positivas, mas o regime de chuvas é um ponto de atenção. Têm sido registrados volumes muito grandes de precipitação em todo o país, com previsões de que dezembro também seja um mês bastante chuvoso. Apesar de não se falar em perdas de produtividade, essas chuvas trazem preocupação quanto ao aumento de proliferação de doenças, além de dificultar os tratos culturais. Ademais, com dias muito nublados, a taxa de irradiação solar diminui. Dessa forma, nas próximas semanas o clima será acompanhado de perto, para se ter uma melhor definição do potencial produtivo da soja”, alerta o grupo, em relatório.

Para o balanço de oferta e demanda, mesmo com a expectativa de um novo recorde na safra 2018/2019, espera-se que os estoques se mantenham muito baixos, em 690 mil toneladas, uma vez que as exportações devem continuar aquecidas. “Caso China e Estados Unidos entrem em algum tipo de acordo, a demanda pela soja brasileira poderia acabar ficando mais fraca, o que resultaria em um balanço um pouco menos restrito”, resume a analista de mercado, Ana Luiza Lodi.

1 comentário

  1. […] Segunda safra de milho deve crescer 20% no Brasil, aponta consultoria […]

Deixe um Comentário





Início » Notícias da Agropecuária » Notícias » Agricultura » Milho » Segunda safra de milho deve crescer 20% no Brasil, aponta consultoria

safra 2018/2019

Segunda safra de milho deve crescer 20% no Brasil, aponta consultoria

Para a soja, a consultoria INTL FCStone, mantém a estimativa de produção em 120,2 milhões de toneladas, nível que, se confirmado, será considerado recorde histórico

03 de dezembro de 2018 às 11h29
Por Canal Rural

Foto: Leonardo Rocha/ Embrapa Agrossilvipastoril

O campo deve reunir fôlego extra no ciclo 2018/2019 para receber o aumento previsto na produção de milho. Segundo a consultoria INTL FCStone, o incremento é de 14,1% em relação à safra anterior, saltando para 92,2 milhões de toneladas de milho resultado de revisões no primeiro e segundo ciclo do cereal.

“No caso da primeira safra de milho 2018/2019, houve um leve aumento da estimativa de produção, que ficou em 27,3 milhões de toneladas, uma variação de menos de 200 mil toneladas frente ao mês passado. Em relação ao ciclo passado, esse nível de produção representa um aumento de 1,7%”, explica a analista de mercado da FCStone, Ana Luiza Lodi.

A produção maior no verão decorre de um aumento da produtividade estimada, que, na média do Brasil, passou de 5,22 para 5,26 toneladas por hectare. “No Rio Grande do Sul, as condições das lavouras de milho estão muito positivas e a produtividade do estado, que alterna com Minas Gerais no posto de maior produtor da safra de verão, foi elevada para 6,9 toneladas por hectare”, destaca a analista Ana Luiza.

Já em relação à safra de inverno, em sua primeira estimativa para 2018/2019, a consultoria aponta produção de 64,9 milhões de toneladas, considerando um aumento de área frente a 2017/2018, que encerrou a temporada com 53,98 milhões de toneladas, segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB), e uma normalização da produtividade, após a quebra expressiva do ciclo anterior. Esse nível de produção representa aumento de 20% no comparativo anual.

A área plantada é estimada em 11,6 milhões de hectares, um aumento de 2,7% em relação à temporada passada, em decorrência da expectativa de crescimento de área em Mato Grosso e Paraná, que deve ser favorecida pelo ciclo mais adiantado da soja.

Essa recuperação da produção deve contribuir para manter os estoques finais de milho em níveis elevados, em 14,4 milhões de toneladas, segundo a INTL FCStone, mesmo com exportações maiores. “As exportações podem se recuperar em meio a uma oferta mais elevada, voltando a superar 30 milhões de toneladas. O consumo interno também deve continuar com tendência positiva, já que o Brasil é um dos maiores produtores de carne do mundo”, destaca a analista de mercado, Ana Luiza Lodi.

Soja

Em sua revisão de dezembro, a FCStone mantém a estimativa de produção de soja para a safra 2018/2019 em 120,2 milhões de toneladas, nível que, se confirmado, será considerado recorde histórico. Isso porque o nível de produção é resultado de uma área em 35,9 milhões de hectares e uma produtividade de 3,35 toneladas por hectare, rendimento abaixo do recorde do ciclo passado.

“As perspectivas, no geral, se mantêm positivas, mas o regime de chuvas é um ponto de atenção. Têm sido registrados volumes muito grandes de precipitação em todo o país, com previsões de que dezembro também seja um mês bastante chuvoso. Apesar de não se falar em perdas de produtividade, essas chuvas trazem preocupação quanto ao aumento de proliferação de doenças, além de dificultar os tratos culturais. Ademais, com dias muito nublados, a taxa de irradiação solar diminui. Dessa forma, nas próximas semanas o clima será acompanhado de perto, para se ter uma melhor definição do potencial produtivo da soja”, alerta o grupo, em relatório.

Para o balanço de oferta e demanda, mesmo com a expectativa de um novo recorde na safra 2018/2019, espera-se que os estoques se mantenham muito baixos, em 690 mil toneladas, uma vez que as exportações devem continuar aquecidas. “Caso China e Estados Unidos entrem em algum tipo de acordo, a demanda pela soja brasileira poderia acabar ficando mais fraca, o que resultaria em um balanço um pouco menos restrito”, resume a analista de mercado, Ana Luiza Lodi.

1 comentário

  1. […] Segunda safra de milho deve crescer 20% no Brasil, aponta consultoria […]

Deixe um Comentário





Mais Notícias