Início » Notícias da Agropecuária » Notícias » Agricultura » Milho » Preço do milho cai 5,72% em julho mesmo com exportação aquecida

POR TRÁS DOS NÚMEROS

Preço do milho cai 5,72% em julho mesmo com exportação aquecida

Segundo o Cepea, o avanço da colheita pressionou as cotações em todas as praças acompanhadas, mas os embarques evitaram quedas maiores

01 de agosto de 2019 às 18h43
Por Canal Rural

O preço do milho recuou 5,72% entre 1º e 31 de julho, em Campinas (SP), aponta o indicador Esalq/BM&FBovespa. No período, a saca de 60 quilos passou de R$ 38,28 para R$ 36,09.

De acordo com pesquisadores do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), as estimativas da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) indicando novos recordes de produção e de exportação para o Brasil afastaram agentes do mercado à vista em julho.

Compradores aguardam as entregas de lotes comercializados antecipadamente, postergando novas aquisições, e os produtores se dividem entre a colheita da segunda safra e o cumprimento dos contratos. “Nesse ambiente, a liquidez esteve baixa no mercado interno”, informa o Cepea.

Quanto aos preços, o avanço da colheita pressionou as cotações em todas as praças acompanhadas. “Em algumas regiões, principalmente nos portos, as quedas foram limitadas pelo bom ritmo das exportações do cereal”, finaliza.

Deixe um Comentário





Início » Notícias da Agropecuária » Notícias » Agricultura » Milho » Preço do milho cai 5,72% em julho mesmo com exportação aquecida

POR TRÁS DOS NÚMEROS

Preço do milho cai 5,72% em julho mesmo com exportação aquecida

Segundo o Cepea, o avanço da colheita pressionou as cotações em todas as praças acompanhadas, mas os embarques evitaram quedas maiores

01 de agosto de 2019 às 18h43
Por Canal Rural

O preço do milho recuou 5,72% entre 1º e 31 de julho, em Campinas (SP), aponta o indicador Esalq/BM&FBovespa. No período, a saca de 60 quilos passou de R$ 38,28 para R$ 36,09.

De acordo com pesquisadores do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), as estimativas da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) indicando novos recordes de produção e de exportação para o Brasil afastaram agentes do mercado à vista em julho.

Compradores aguardam as entregas de lotes comercializados antecipadamente, postergando novas aquisições, e os produtores se dividem entre a colheita da segunda safra e o cumprimento dos contratos. “Nesse ambiente, a liquidez esteve baixa no mercado interno”, informa o Cepea.

Quanto aos preços, o avanço da colheita pressionou as cotações em todas as praças acompanhadas. “Em algumas regiões, principalmente nos portos, as quedas foram limitadas pelo bom ritmo das exportações do cereal”, finaliza.

Deixe um Comentário





Mais Notícias