Início » Notícias da Agropecuária » Notícias » Agricultura » Milho » Consultoria eleva em 2% previsão da produção de milho na segunda safra

PROJEÇÃO

Consultoria eleva em 2% previsão da produção de milho na segunda safra

Segundo INTL FCStone, a safrinha do cereal deve atingir 71,7 milhões de toneladas no Brasil; exportação deve alcançar 35 milhões de toneladas, puxada por problemas no clima dos EUA

03 de julho de 2019 às 11h17
Por Estadão Conteúdo
milho

Aumento da produção brasileira de milho é puxado pela colheita em Mato Grosso – Foto: Ministério da Agricultura

A consultoria INTL FCStone elevou novamente sua estimativa de produção do milho segunda safra na temporada 2018/2019, para 71,7 milhões de toneladas. No mês passado, a consultoria já havia revisado para cima sua projeção, para 70,2 milhões de toneladas. Com o número atualizado e a estimativa de produção de milho verão em 28,03 milhões de toneladas, a previsão de colheita total no Brasil sobe para 99,7 milhões de toneladas, ante 98,2 milhões de toneladas estimadas em junho. 

“À medida que a colheita da segunda safra de milho avança em Mato Grosso, a produção da safrinha se eleva, aumentando também o volume total brasileiro. Somente (a colheita de) Mato Grosso deve ser de 30,5 milhões de toneladas, nível também recorde”, disse a empresa em boletim. 

A consultoria aumentou sua estimativa de produtividade para 5,94 toneladas por hectare, contra 5,82 toneladas por hectares no mês passado. A previsão de área plantada segue em 12,064 milhões de hectares. 

Consumo

A consultoria ajustou a projeção de consumo doméstico para 62,5 milhões de toneladas, contra 62 milhões em junho, e de exportações para 35 milhões de toneladas, contra 33 milhões no mês passado, em virtude dos problemas enfrentados por produtores norte-americanos. 

Desta forma, o consumo total deve chegar a 97,5 milhões de toneladas, conforme a consultoria. Apesar disso, os estoques brasileiros devem permanecer confortáveis, em 17,42 milhões de toneladas – em junho, a previsão era de 17,88 milhões de toneladas. 

“Como a estimativa de produção foi ajustada para cima, as perspectivas continuam apontando para estoques bastante folgados”, explica a analista de mercado, Ana Luiza Lodi. 

Nova call to action

1 comentário

Deixe um Comentário





Início » Notícias da Agropecuária » Notícias » Agricultura » Milho » Consultoria eleva em 2% previsão da produção de milho na segunda safra

PROJEÇÃO

Consultoria eleva em 2% previsão da produção de milho na segunda safra

Segundo INTL FCStone, a safrinha do cereal deve atingir 71,7 milhões de toneladas no Brasil; exportação deve alcançar 35 milhões de toneladas, puxada por problemas no clima dos EUA

03 de julho de 2019 às 11h17
Por Estadão Conteúdo
milho

Aumento da produção brasileira de milho é puxado pela colheita em Mato Grosso – Foto: Ministério da Agricultura

A consultoria INTL FCStone elevou novamente sua estimativa de produção do milho segunda safra na temporada 2018/2019, para 71,7 milhões de toneladas. No mês passado, a consultoria já havia revisado para cima sua projeção, para 70,2 milhões de toneladas. Com o número atualizado e a estimativa de produção de milho verão em 28,03 milhões de toneladas, a previsão de colheita total no Brasil sobe para 99,7 milhões de toneladas, ante 98,2 milhões de toneladas estimadas em junho. 

“À medida que a colheita da segunda safra de milho avança em Mato Grosso, a produção da safrinha se eleva, aumentando também o volume total brasileiro. Somente (a colheita de) Mato Grosso deve ser de 30,5 milhões de toneladas, nível também recorde”, disse a empresa em boletim. 

A consultoria aumentou sua estimativa de produtividade para 5,94 toneladas por hectare, contra 5,82 toneladas por hectares no mês passado. A previsão de área plantada segue em 12,064 milhões de hectares. 

Consumo

A consultoria ajustou a projeção de consumo doméstico para 62,5 milhões de toneladas, contra 62 milhões em junho, e de exportações para 35 milhões de toneladas, contra 33 milhões no mês passado, em virtude dos problemas enfrentados por produtores norte-americanos. 

Desta forma, o consumo total deve chegar a 97,5 milhões de toneladas, conforme a consultoria. Apesar disso, os estoques brasileiros devem permanecer confortáveis, em 17,42 milhões de toneladas – em junho, a previsão era de 17,88 milhões de toneladas. 

“Como a estimativa de produção foi ajustada para cima, as perspectivas continuam apontando para estoques bastante folgados”, explica a analista de mercado, Ana Luiza Lodi. 

Nova call to action

1 comentário

Deixe um Comentário





Mais Notícias