Agricultores de todo o país fazem de Barreiras a capital do oeste baiano

Cidade virou berço de migrantes na década de 1980 e hoje movimenta agronegócio nacionalNesta quarta, dia 10, a Série Eleições 2008 mostra a cidade de Barreiras, considerada a capital do oeste baiano. A região atraiu milhares de produtores rurais no início da década de 1980, agricultores que encontraram nesta terra uma oportunidade para crescer.

A cada amanhecer, o sol revela as belezas da história de uma cidade de 117 anos. Barreiras nasceu às margens do Rio Grande, águas que permitiram o desenvolvimento do pequeno vilarejo através da navegação, e que deram origem a uma economia que começou com o extrativismo da borracha.

? Inventaram o carro e outros tipos de indústria que precisava de borracha, nos Estados Unidos, e quem tinha borracha? O Brasil. Seringueira na Amazônia, mangabeira aqui ? conta a historiadora Ignês Pitta.

A descoberta atraiu trabalhadores de todo o país. Na década de 1930, Barreiras já contava com uma usina de energia, um aeroporto e uma navegação forte. Mas com o fim do período da borracha, a recessão foi inevitável. Apenas na década de 1970, é que Barreiras voltou a crescer, e dois fatores foram essenciais: a construção das estradas da região e o desenvolvimento de sementes adaptadas ao Cerrado.

? Como aqui no oeste baiano são grandes áreas de Cerrado, começou a atrair agricultores do Brasil todo, principalmente do Sul e Sudeste, inclusive estrangeiros ? adianta Inês.

Foi por causa da ousadia de imigrantes vindos do sul e do sudeste do país, para produzir em Barreiras, que a cidade se transformou num pólo agropecuário do oeste da Bahia. Hoje, o município ostenta uma produção bem diversificada, que vai desde a soja e do milho, até o café, o feijão, o algodão.

O produtor de grãos Celito Breda é um personagem desta história. Natural do município gaúcho de Jacutinga, ele chegou a Barreiras no final dos anos 80.

? Eu fiz estágio primeiro no oeste do Paraná, como engenheiro agrônomo, e lá conheci um produtor que morava lá e tinha uma fazenda aqui na Bahia. Aí ele me convidou para trabalhar aqui em 1988 e, hoje, faz 20 anos ? conta.

O produtor rural virou proprietário de quatro fazendas no nordeste do país. Hoje investe principalmente em milho e em algodão, culturas que só trouxeram  prosperidade para a vida do agrônomo, que garante não ter arrependimentos por ter deixado a vida no Rio Grande do Sul.

E ele tem razão. Barreiras é um município promissor. O crescimento da população já é um indicador: passou de 20 mil habitantes, em 1970, para mais de 130 mil nos dias de hoje. A produção agrícola só cresce na cidade, onde são produzidas mais de 400 mil toneladas de soja e 120 mil toneladas de algodão. A principal rodovia de escoamento da produção regional, a BR-242, corta Barreiras e faz do local passagem obrigatória de milhares de caminhões.

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Assine grátis a melhor newsletter sobre agronegócios do Brasil