PRIMEIRO PASSO

Reforma tributária é aprovada por comissão da Câmara dos Deputados

Proposta acaba com 3 impostos federais, 1 estadual e 1 municipal; no lugar cria duas tributações sobre operações com bens e serviços

Lei kandir, imposto, taxa, tributo, renda, dinheiro, reforma tributária
Foto: Pixabay

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira, dia 22, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 45 de 2019, que estabelece a reforma tributária.

De autoria do deputado federal Baleia Rossi (MDB-SP), a proposta acaba com três tributos federais: Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), Programas de Integração Social (PIS) e Contribuição para Financiamento da Seguridade Social (Cofins). Extingue também o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), que é estadual, e o Imposto Sobre Serviços (ISS), municipal. Todos eles incidem sobre o consumo.

No lugar, é criado o Imposto sobre Operações com Bens e Serviços (IBS), de competência de municípios, estados e União, além de um outro imposto, sobre bens e serviços específicos, esse de competência apenas federal. O tempo de transição previsto é de dez anos.

O deputado João Roma (PRB-BA), apresentou na semana passada parecer recomendando a aprovação da proposta na CCJ. Em audiência pública, especialistas divergem sobre a constitucionalidade da proposta

Tentativa de obstrução

A votação na CCJ contou com o apoio de quase todos os partidos. A exceção foi o Partido Socialismo e Liberdade (Psol), que tentou obstruir a votação, apresentando requerimentos que tinham como objetivo adiar a análise do texto.

Segundo o deputado Ivan Valente (PSOL-SP), um dos motivos foi a pouca abrangência da proposta, que trata apenas de impostos sobre consumo e não estabelece, por exemplo, a taxação de lucros e dividendos. “Essa proposta, embora simplifique impostos, não tem o dom de distribuir, pelo contrário vai acabar na mesma lógica que acaba concentrando onde tem mais recursos”, avaliou.

Nova call to action

Durante o debate, o deputado Paulo Teixeira (PT-SP) ressaltou que a proposta tem como base texto elaborado pelo Centro de Cidadania Fiscal. “É uma proposta que tem três anos de maturação, então dificilmente se pode afirmar que é uma proposta não estudada”, defendeu.

Para a deputada Clarissa Garotinho (Pros-RJ), a reforma “traz um ponto de partida”. “A simplificação tributária é necessária e importante para o país”, acredita.

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


4 comentário em “Reforma tributária é aprovada por comissão da Câmara dos Deputados

  1. Muito complicado esse povo, seria muito mais fácil adotar uma alíquota única, o que, com a informatização, dividiria, o que cabe a união, Estados e municípios, diminuindo o tamanho da da receita Federal.

css.php
Assine grátis a melhor newsletter sobre agronegócios do Brasil