Início » Notícias da Agropecuária » Agronegócio » Algodão: Bahia entra na reta final da colheita e deve registrar novo recorde

2º MAIOR PRODUTOR

Algodão: Bahia entra na reta final da colheita e deve registrar novo recorde

Outra boa notícia para os produtores é que a guerra comercial entre China e Estados Unidos podem render mais compras do exterior

20 de setembro de 2019 às 10h32
Por Agência Safras
colheita de algodão

Foto: Sérgio Cobel da Silva/ Embrapa Algodão

Com 97% da colheita concluída, a Bahia entra na reta final da atual safra de algodão 2018/2019. A perspectiva se mantém otimista no segundo maior produtor do Brasil. A última projeção da Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa) garante a colheita recorde de 1,5 milhão de toneladas (caroço e pluma), superando em 300 mil toneladas a última safra de algodão.

Apesar de uma leve queda da produtividade, provocada por uma estiagem em janeiro, os agricultores ainda avaliam como positiva a produtividade de 302 arrobas de pluma por hectare, ao invés das 315 arrobas da safra passada.

A manutenção do incremento de 15% da safra de algodão em relação ao ano passado, está baseado no incremento de 25,5% de área cultivada, principalmente na região oeste da Bahia, alcançando os 331 mil hectares. Recém chegado de uma missão internacional para divulgar a qualidade do algodão brasileiro na Ásia, o presidente da Abapa, Júlio Cézar Busato, acredita no ciclo de investimento na cultura por parte dos produtores da região.

“Por conta da briga comercial entre a China e os Estados Unidos, houve uma queda acentuada de 30% no valor do preço da pluma. Isso pode aumentar o comércio internacional com os países asiáticos, que compram 85% da pluma brasileira, e que podem pagar mais pela qualidade e confiabilidade no processo de classificação e análise. Apesar da baixa dos preços do algodão, os produtores baianos não querem perder o espaço que já conquistaram”, afirma Busato.

Atualmente, cerca de 40% do algodão baiano são exportados para países asiáticos, como China, Indonésia, Bangladesh e Vietnã e 60% são comercializados junto às indústrias têxteis no Brasil.

Para atingir bons níveis de produtividade, os produtores deverão respeitar o período do vazio sanitário, que ocorrerá entre os dias 30 de setembro a 30 de novembro, com a destruição prévia das soqueiras e tigueras.

“Esta janela de dois meses prevê a eliminação de qualquer tipo de resto culturais de algodão no solo, sendo fundamental para garantir uma redução dos níveis de bicudo do algodoeiro que atacam a qualidade da pluma e a rentabilidade do produtor”, afirma Busato.

Soja: confira previsão mês a mês para a safra 2019/2020

 

Deixe um Comentário





Início » Notícias da Agropecuária » Agronegócio » Algodão: Bahia entra na reta final da colheita e deve registrar novo recorde

2º MAIOR PRODUTOR

Algodão: Bahia entra na reta final da colheita e deve registrar novo recorde

Outra boa notícia para os produtores é que a guerra comercial entre China e Estados Unidos podem render mais compras do exterior

20 de setembro de 2019 às 10h32
Por Agência Safras
colheita de algodão

Foto: Sérgio Cobel da Silva/ Embrapa Algodão

Com 97% da colheita concluída, a Bahia entra na reta final da atual safra de algodão 2018/2019. A perspectiva se mantém otimista no segundo maior produtor do Brasil. A última projeção da Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa) garante a colheita recorde de 1,5 milhão de toneladas (caroço e pluma), superando em 300 mil toneladas a última safra de algodão.

Apesar de uma leve queda da produtividade, provocada por uma estiagem em janeiro, os agricultores ainda avaliam como positiva a produtividade de 302 arrobas de pluma por hectare, ao invés das 315 arrobas da safra passada.

A manutenção do incremento de 15% da safra de algodão em relação ao ano passado, está baseado no incremento de 25,5% de área cultivada, principalmente na região oeste da Bahia, alcançando os 331 mil hectares. Recém chegado de uma missão internacional para divulgar a qualidade do algodão brasileiro na Ásia, o presidente da Abapa, Júlio Cézar Busato, acredita no ciclo de investimento na cultura por parte dos produtores da região.

“Por conta da briga comercial entre a China e os Estados Unidos, houve uma queda acentuada de 30% no valor do preço da pluma. Isso pode aumentar o comércio internacional com os países asiáticos, que compram 85% da pluma brasileira, e que podem pagar mais pela qualidade e confiabilidade no processo de classificação e análise. Apesar da baixa dos preços do algodão, os produtores baianos não querem perder o espaço que já conquistaram”, afirma Busato.

Atualmente, cerca de 40% do algodão baiano são exportados para países asiáticos, como China, Indonésia, Bangladesh e Vietnã e 60% são comercializados junto às indústrias têxteis no Brasil.

Para atingir bons níveis de produtividade, os produtores deverão respeitar o período do vazio sanitário, que ocorrerá entre os dias 30 de setembro a 30 de novembro, com a destruição prévia das soqueiras e tigueras.

“Esta janela de dois meses prevê a eliminação de qualquer tipo de resto culturais de algodão no solo, sendo fundamental para garantir uma redução dos níveis de bicudo do algodoeiro que atacam a qualidade da pluma e a rentabilidade do produtor”, afirma Busato.

Soja: confira previsão mês a mês para a safra 2019/2020

 

Deixe um Comentário





Mais Notícias